Resumo dos três últimos anos lutando pela Medicina…

Salve, caros! Finalmente um dia de paz para conseguir publicar algo à vocês!! Gente, que correria é essa? rs 
O intuito dessa postagem é dizer como andam as coisas com muita sinceridade e compartilhar novas experiências, novas filosofias e uma coisa muito forte! A minha consciência de que vai ser esse ano! Por que isso? Gente… Na boa.. rs Meu pensamento é passar esse ano, chega de adiar! Chegou minha vez de estar na ponta dessa fila injusta que é a da Medicina! rs 
Chega de delongas… Vamos ao que interessa… rs
Bom… 
Atualmente só tenho tempo de ler o que vocês me mandam pelo e-mail, pois minha rotina está ainda mais puxada que ano passado. Iniciei o ano com uma única promessa, me dedicar como nunca, mais ainda que nos últimos anos, pra cravar de vez meu nome nessa bendita lista! Optei por fazer cursinho novamente no Objetivo. Amo essas pessoas, meus professores, meus amigos, minha vida. Sei que muita gente está entrando na fase dos “existencialismos”, mas, quando você tem certeza, está convicto do que quer da sua vida, não pensa mais no “por que Medicina?”, “o que estou fazendo da minha vida?”, “sou a pessoa mais atrasada desse universo”, “não aguento mais esse sofrimento”… Apesar de já ter passado por tudo isso, gente.. Hoje não sobram resquícios de dúvida, vou até o fim!  E digo mais, comecei o ano determinado a passar! PASSAR É MEU LEMA! Tirando os anos que para mim não valeram de nada (quando estudei de forma desorganizada) e considerando os anos que fiz cursinho, atualmente estou no terceiro ano no mesmo cursinho! Sei que muita gente é contra continuar no mesmo cursinho, calma! Há suas exceções! Sou uma exceção, posso afirmar uma coisa.. Estou voando esse ano! O que eu mudei nesse ano? Acho que a minha mudança será a chave da minha aprovação nesse ano! Vamos dizer sinteticamente como foram meus anos de cursinho:
Primeiro ano: Iniciei o cursinho assustado em 2014, como sempre fui aluno de rede pública, me formei em 2009, e fiquei sem estudar direito de 2010 à 2013. Sempre num estudo paliativo, fraco, desmotivado, desorganizado e a cada ano me sentia pior, porque era humilhado pelas provas, meu sonho estava cada vez mais distante. Mas, retornando à 2014… Foi meu primeiro ano de cursinho. Cara! Que susto. Muita matéria, muitas pessoas inteligentes… Conheci muitos concorrentes de curso que estavam quilômetros na minha frente. O que eu fiz? Fiz amigos que tinham o objetivo de passar, que estavam encarnados, como naquela frase sinteticamente traduzida assim: “não ande com urubus, se queres voar como águia”. Essa foi a filosofia inicial. Nesse meu primeiro ano, pela falta de experiência, assisti exaustivamente aulas, pois precisava de conteúdo. Fazia o extensivo, as aulas do Especial de Humanas, e do reforço de Medicina, que pra mim somaram muito, pois a abordagem do curso especial de Medicina era tão forte e difícil, que dava um nó na minha cabeça, mas foi fundamental para ver que era difícil sim, mas que se eu focasse, daria pra ficar muito forte naquilo. Então, esse primeiro ano foi para eu criar ritmo, reforçar minha base, reter conteúdo e tentar acompanhar os tarefas. Cara! Os tarefas… Como eram difíceis pra mim, com pouca base.. Com muita dificuldade.. Eu sofria em Matemática, não sabia nem fazer Equações do 1º e 2º Grau. Estava cru de conteúdo. Mas, esse foi meu primeiro ano. Fui mal no vestibular, mas já notei que não se tratava desse “monstro” que o povo rotulava, no final do ano eu estava bem em várias matérias, mas não suficiente para Medicina. Nem devo dizer que chorava ao ver meus simulados… 
Segundo ano: Começava 2015, já estava mais calejado, com a mente bem fresca. Muitas coisas era só complementar. Eh… Meu primeiro ano de cursinho havia dado resultados positivos. Comecei voando, mas só havia um problema… Ainda tinha 1% de insegurança… Eu estava confiante, estava muito forte.. Mas… O 1% crescia a cada dia… Principalmente, por no primeiro ano eu ter feito vários exercícios de base, mas pouco tocava nos exercícios cascudos, os que machucam por dentro, e que dão medo… Os típicos exercícios que os professores falam, especialmente os da Fuvest.. Cara! Eu enfrentei esses exercícios nesse ano. Fiz o máximo que pude, grudava nos plantonistas. Especialmente depois do especial de sábado. Eu fazia questões cascudas, estava feliz demais por estar conseguindo aos poucos resolvê-las. E foi assim até o final do ano. Minha base estava fortíssima. Nem parecia mais o Alexandre do primeiro ano. Um exemplo é que comecei a trabalhar muito com notação científica e potência, pra me livrar de cálculos decimais, ou números monstruosos… Fui evoluindo tanto.. Que cheguei a “dar aula” pra alguns amigos que precisavam de ajuda. E nessa de ajudá-los, me ajudei! Precisava dominar o assunto pra conseguir explicar com propriedade. Sabe o que me fez ficar fera nos conteúdos? Uma obrigação que tinha comigo mesmo… Minha primeira Lei: Não usarás calculadora. Segunda Lei: Anotarás a matéria, porém, quando estiveres fazendo exercícios, jamais, absolutamente, nunca! Irás consultar o conteúdo para resolver as questões. Sabe por que eu fazia usufruto abusivo dessas leis? Porque o conteúdo teria que ser interiorizado. Eu precisava ser o conteúdo, uma espécie de “conteúdo ambulante”. E nessa pegada, ousei. Cheguei no final do ano com uns 10% de desconfiança de mim, e 90% de confiança de que iria passar. Gente.. Eu estava muito forte. Especialmente em provas escritas. Eu chorava nos simulados sim, mas não porque não sabia o conteúdo. E sim porque perdia questões que eu dominava por desatenção e por uma estratégia de resolução errada! Cheguei nos vestibulares diferente, sabia resolver tudo.. Mas, ainda pecava no método de resolução. Eis que não passei para 2ª Fase da FUVEST (MEDICINA PINHEIROS) por 1 mísero pontinho. Minha nota ficou na casa dos 72 pontos. E o corte? 73… Eis que planejei mais um ano de cursinho.
Terceiro ano de cursinho (atual) Nesse ano iniciei uma nova filosofia, estou muito confiante! É esse ano! Não digo isso pelo fato de “estar me achando”, nada disso! Nem estou sendo imediatista… Gente! Eu sinto que é esse ano! E na boa? Vai ser esse ano. Não existe mais resquício de desconfiança, estou 100% confiante de que vou passar! Porque, estou desde o primeiro dia de aula determinado para que isso aconteça! Quais foram minhas mudanças? Nos primeiros anos eu evoluí bastante, no último nem se fala. Eu disparei. Tive um salto qualitativo absurdo! Observando que continuei no curso de Medicina avançado, (que aliás, também estou fazendo nesse ano). Dessa vez, uma coisa está surtindo um efeito incrível, indescritível. ORGANIZAÇÃO. An? SIM! ORGANIZAÇÃO do tipo Transtorno obsessivo compulsivo (risos). Eu não monitorava direito minha produtividade. E algumas aulas, alguns conteúdos importantes, inevitavelmente ficavam esquecidos. E tudo atrasava. O que estou fazendo esse ano, que já teve um reflexo muito positivo no meu primeiro simulado. Tirei a maior nota dos meus simulados, tanto no modelo Fuvest de primeira fase, quanto na prova escrita específica de Medicina. O que eu fiz? Que organização é essa? Não é nenhum segredo gente. Eu simplesmente estou controlando minha produtividade por uma ficha que o cursinho disponibiliza chamada: Guia Diário de Estudos, vulgo GDE. Nessa planilha impressa, tem o campo para colocar a data, as aulas que tive no dia, e em cada aula tem o campo do Caderno que estou, da Frente de cada matéria, e do Módulo. Além de ter campos para Exercícios (quantos fiz para cada conteúdo), Dúvidas (se sobrou alguma), e um campo vago pra colocar o OK com a porcentagem de acertos quando a matéria for fechada. E seguindo a dica de um amigo, estou usando várias pastas, separadas por frente para cada matéria. Estou muito organizado, nenhuma folha de anotação e resolução perdida. Tudo sob controle obsessivo, de quem quer ver o nome na Lista de FUVEST!
O que eu faço quando saio de cada aula? Claro, como o meu lanche, o meu achocolatado precioso.. (risos). E depois de tudo isso, sento na mesa. Faço a minha administração pessoal, registro o que tive no dia. Faço os tarefas do dia. E após concluí-los, dou o OK. Alexandre, você não atrasa matéria? Gente, sou mortal. Tem matérias que atraso sim! Mas, tenho um lema próprio. Algumas matérias dá pra ter um jogo de cintura, e outras não. Pra Química por exemplo: me obrigo a não deixar absolutamente nada atrasar dessa disciplina. Matemática poucas coisas atrasam, mas como tenho tudo registrado, estou só de olho! Na primeira brecha de matérias concluídas, finalizo tudo. Humanas? Linguagens? Pra mim tudo é válido. Sou muito forte em humanas e linguagens. Mas, mesmo assim, me obrigo ler todo o capítulo e depois disso, resolvo TODOS os tarefas dos intocáveis, vulgo coleção da turma da manhã do Objetivo. Redação? Quando possível, duas por semana! Mas, por obrigação, toda semana pelo menos uma. Esse ano, estou lendo de forma aprofundada as obras. Memórias Póstumas de Brás Cubas é incrível, essa será minha quarta ou quinta leitura dela (sei que é desnecessário), mas a cada leitura, uma análise mais profunda surge. Nas exatas esse ano estou muito forte. Conseguindo fazer todos os exercícios da Fuvest. Uma coisa que alguns podem achar vulgaridade, ou até “que estou me achando”, é que esse ano sou muito confundido com o plantonista do cursinho… Cara! Quanta gente vem pedir ajuda em exercício. Já me chamam de plantonista lá… kkkkk E não é um desabafo, ou uma tristeza pra mim! Amo sanar a dúvida de quem está começando. Aliás, quem já está na pegada também. Tenho amigos que reprovaram, que nós nos ajudamos nos exercícios “cascudos”, aqueles exercícios vindos das profundezas do inferno, tipo “Marinha do Brasil”, “Olimpíada de Física”, “Fuvest 2ª Fase”… kkkkkkkk Mas, a pegada tá pesada. Eu nem tocava nos tarefas do especial de Medicina, esse ano estou destruindo todos! rs Só exercício de nível elevadíssimo, de 2ª fase.
Voltando aos “plantões” que distribuo. Faço isso com o maior prazer! Amo ensinar; um dia fiz a promessa pra mim mesmo… Quando chegasse o dia em que eu tivesse a oportunidade de compartilhar meu conhecimento, não pensaria duas vezes em ajudar outras pessoas que são como um dia eu já fui… Sempre motivo as pessoas a minha volta, porque precisamos fazer isso. O cursinho é um lugar hostil muitas vezes, mas já que é desse jeito, por que não injetar uma leveza nisso. Sou o pior piadista de todos, mas todos riem das minhas piadas, por serem muito sem graça kkkkkk. Ex: Qual é a parte da matemática que te deixa agitado, com muita adrenalina? Resposta: Fator Ação. kkkkkkk. Péssimo. Mas, necessário pra botar um sorriso no rosto de quem sonha em tornar esse País, um lugar melhor. Nós somos os herdeiros desse País, por isso precisamos ser os melhores, tornar esse lugar cada vez melhor, e semear o amor pela vida, e pelas pessoas!
Pra finalizar essa postagem… Eis algumas imagens depressivas rs:

Gente, se algum leitor é de Santo André, e faz Objetivo, manifeste-se! Sou do Objetivo Santo André, Senador Fláquer, da sala 16, extensivo tarde. Conheci a segunda leitora do Blog esse ano… Isso é muito legal, pois eles veem que não sou uma pessoa “abençoada”, que sou como cada um de vocês que vieram buscar conforto nessas palavras! Sabe o que aconteceu esses dias, durante uns três dias seguidos fiquei deitado na cama, sem nenhuma vontade de levantar e ir pro cursinho. Sabe o que se passou pela minha cabeça? A promessa que fiz no início do ano: que jamais, independente do cansaço, do desânimo, deixaria de ir para o cursinho. Pois meus anos, meus sofrimentos, minha perseverança, dependem disso! Dependem dessa vitória diária. Porque, minha vitória desse ano, será a soma das vitórias sobre esses dias, e tudo isso? Será a conversão de superação, em aprovação! Esse ano já é meu! Nada de reprovar. Força gente, espero que o texto tenha trazido mais ímpeto e motivação. Em breve nos veremos de novo! Abraços.