Reflexão de quem conheceu muitas vezes a derrota…

sssssssssssssssddssssssdddddddddddddds

Lembro quando escrevi isso, que minhas certezas suprimiam minhas dúvidas. Posso dizer que se esse ano de preparação – atual, 5ª tentativa de Fuvest – me ensinou alguma coisa.. Foi: isole-se. Seja presente para poucos. Permita que pouquíssimas pessoas saibam o que você está fazendo da sua vida – e ainda assim, oculte algumas coisas -. Continue lutando e faça um trabalho de “formiguinha”, mas não uma formiga burra, que não tem coragem de corrigir os erros. Corrija todas as extravagâncias dos anos que você reprovou. E quando tiver vontade de desistir ou de fracassar… Reconheça que seu trabalho atual não é fruto somente do agora, você precisou errar muito e fracassar muito pra ter a consciência de hoje. O Alexandre do agora, que fará sua 5ª Fuvest lhes diz: a resistência, o sonho – hoje não tão fantasioso -, a corrosão do tempo, tudo me adaptou para mais esse ano. Perdi “amigos”, mas, nunca foi meu objetivo agradar ninguém. Quem ficou, é porque realmente faz parte das minhas amizades e que valorizo muito. E para mim hoje só importa uma coisa: conseguir minha vaga de Medicina na USP. Sei que muitos veem como tolice. Mas, antes de julgar, coloque-se no lugar de quem sofreu durante tantos anos, que abdicou de muita coisa, que viu todos se realizarem, menos você, que “estagnou” (mas, você sabe que não), que trabalhou a prova da Fuvest, que chorou todas as vezes em que não viu o nome na segunda fase, que viu mais um ano a tão aguardada Lista de aprovados da Pinheiros sem o seu nome, e sentiu a tristeza de recolher seus pedaços e mais uma vez, refletir o porquê não foi dessa vez, e driblar as infinidades de perguntas “e aí, passou?”, como se você não soubesse que muitos dos que perguntam, veem antes de você se seu nome está na Lista… Se você que leu tivesse passado por tudo isso, e ainda assim não quisesse alcançar o seu sonho no lugar em que faz seu coração pulsar e todas as tristezas diárias sumirem só de se imaginar nesse lugar.. Se após tudo isso, você não compreender o que é sentir esse desejo incomensurável… Você nunca teve um sonho. Lamento profundamento por ter chegado nessa altura da vida, sem nunca ter tido essa sensação…