Ninguém pode fazer por você…

Fala, vestibulandos de medicina! Tudo bem? Essa nossa vida de sumiços é engraçada, não é mesmo? Mas, vamos ao que importa. Esse mês de maio é complicado pra todos nós, já são alguns anos tendo que me reinventar pra conseguir passar dessa fase sem grandes abalos. E tudo o que virá posteriormente depende do que você está fazendo agora pra antecipar ou tardar a sua aprovação. Como o título sugere “ninguém pode fazer por você”, isso é um fato que se levado com seriedade e consciência, seu ano de estudos será menos desgastante, porque sentirás que tudo está em suas mãos, que o controle do seu desempenho em novembro e dezembro, dependerá tão somente do Leitor que assimila estas palavras e que decidiu aceitar a responsabilidade de se autogerir. Sei que muita coisa anda tirando o seu sono. Você está preocupado por ter recebido notícias das datas futuras de alguns vestibulares, de outros que abriram suas inscrições e dos que já fecharam, e tudo isso te preocupa, porque nessa altura sua única vontade é ver aquela pilha de matérias se esvaindo, e um leve sorriso de cumplicidade tirar a expressão de angústia que o aflige, para, assim, poder ter densidade e resolver qualquer prova… Não é diferente pra ninguém. E é melhor que não seja, porque isso é o que nos mantém atentos e como diria Machado “…melhor cair das nuvens que de um terceiro andar”, ainda estamos vivos, então, não nos alienemos. Se você extinguir-se das preocupações e ficar acomodado pensando que tudo está indo “de vento em popa”, poderá afogar-se com o próprio otimismo, e não processar racionalmente que em ano de vestibular, precisamos “matar um leão por dia” cujo leão é você mesmo… Definitivamente, não existe ano fácil pra ninguém. Existe ano equilibrado. Mas, equilíbrio não significa vitórias hegemônicas, apenas que você está conseguindo equidade nos seus fracassos e nos seus êxitos.
Por qual motivo atrasamos as matérias? Isso é simples de se responder. Temos velocidades de assimilação diferentes. Alguns assimilam facilmente Física, outros Matemática ou Português, mas isso não importa. Temos essa diferença, mas algo em comum e que autorregula nosso desempenho e que para ser superado, é preciso que você vá além: eis o motivo de atrasarmos matérias. Pra tirar sua curiosidade que gostaria de uma resposta breve e menos ilustrativa, a resposta é bem óbvia: temos que enfrentar nossas dificuldades. Isso demanda muito mais tempo do que você consome com o que já domina. Esse é um fato importante, porque não significa que você tenha que parar de estudar o que já domina. Mas, só dar ênfase no que domina é frivolidade demais pra quem quer passar num curso concorrido. Talvez, seja até pra quem quer crescer como ser humano. Imagina se levássemos uma vida medíocre (não que não tenhamos nossa parcela de mediocridade pela curta existência), mas já pensou se essa vida que se vai como o vento, fosse tão pequena que em qualquer dificuldade pensássemos: “ah, tá difícil demais, deixa pra lá…”. Quantas oportunidades não matamos só com esse pensamento? Quantos anos não atrasamos – ou até excluímos – quando pensamos: “não quero estudar Logaritmo não, é muito difícil, nem deve cair tanto assim”, veja que coisa! Você admitiu que isso era difícil – então sabe que tem dificuldade nisso -, e mesmo assim abdicou da oportunidade de “matar o leão da preguiça, do medo, da fraqueza”, e por isso, vê que tudo é difícil, porque sempre que aparece um caminho mais truncado, dissipativo e que gera trabalho (porque demanda tempo), você renuncia. Esse é um motivo grave de quem não consegue ir bem nas provas – eu vivi isso para lhes contar -. Porque até consegue enxergar o que é difícil, mas, não cria coragem de “fazer por si” e enfrentar essa dificuldade. Posso dizer-lhes com a mais plena convicção e animação: todos os assuntos dificílimos que escolhi não renunciar, mesmo que levassem mais tempo e gerassem o “temido atraso”, foram mais que necessários pra moldar um perfil de alguém que não desiste! Que sente as mesmas dificuldades, mas que escolhe lutar. Nem que para isso tenha que perder um pouco mais de tempo. É preferível dissipar boas frações dos seus horários de estudo sofrendo em algo que te “machuca estudar” mas que te fará deixar seu “eu” caduco para trás, do que enganar-se com a hipocrisia de “estou gabaritando isso” sem dar-se conta de que já é um assunto dominado e que você precisa avançar, pois essa “automotivação vazia e inconsciente” tira a oportunidade de “mexer nas feridas não cicatrizadas” de quem estuda pra passar… Então, filtre o melhor desses alertas, veja que estamos em maio, mas que desde o início do seu ano até agora, tudo sempre dependeu de você. Seus amigos são bons, mas não estudarão por você. Sua família te dá apoio, mas não fará a prova por você. As pessoas que te criticam e pedem para você desistir só querem a oportunidade de você provar que elas estavam certas, e você? Dará essa oportunidade?! Então, não desanime. Continue focado, e utilize suas dificuldades como norteamento nos momentos de menor lucidez. Não dissipe seu tempo no que já está dominado, só faça as devidas manutenções, com muitos exercícios e trabalhe estrategicamente. Para que sobre muito tempo pra você matar as dificuldades que são verídicas. Que em vez de dar a sensação alienada de “estou gabaritando”, dão a sensação de eterno bosta… De: “porra, por que continuo errando isso, preciso estudar mais esse assunto…”. Daí, não fique só no “preciso estudar”. MAIS AÇÃO! Vá e estude. Mostre para si, e não para os outros, que você está no jogo. Que não desiste nunca e que vai superar essas dificuldades no seu ritmo. Sem desistência. Matando o seu leão de cada dia! Pode ter certeza, os resultados das provas serão o prognóstico que você tanto sonhou. Então, leve isso a sério.
Após tudo isso…
Prepare-se para isso:
avances
Isso não depende de ninguém ao seu entorno. Só da sua vontade e ações do agora! E você? Já se fez essa pergunta? Está preparado para viver a vida que tanto planejou?! Abraços!! E vamos rumo ao projeto “Ex-Vestibulando de Medicina”. Sucesso!!