Meu cantinho de estudos

Fala galera! Tá chegando a hora de começar mais um ano de estudos! Sei que será árduo e bem puxado, mas, só de estar lutando mais esse ano pra realizar meu sonho maior, me sinto muito feliz! Poucos têm a oportunidade de escolher uma profissão e conseguir cursar para se tornar o profissional dos sonhos, no lugar de seus sonhos. Essa missão vai ter um final feliz, sei disso! Desejo muito sucesso à todos, e me digam abaixo… Como está o cantinho de vocês? 😘❤

O que me motivou a continuar tentando Medicina? (Tente outra vez!)

3959364_x720
Em 2018, é nesse lugar que quero estar!!

Já dizia o amado Raul Seixas, na sua canção antológica “Tente outra vez”. Nunca essa breve frase fez tanto sentido como na vida de quem luta por algo grandioso, assim como nós, vestibulandos de medicina. Daí, Renato Russo complementa o “tente outra vez”, com: “quem acredita sempre alcança”. Antes de ser vestibulando, na minha fase de inexistência de consciência de qual vida gostaria de viver, quando não acreditava em mim e nem que meu futuro poderia ser modificado para o que eu quisesse com as ações do agora, eu ouvia essas canções com apatia, sem nenhuma empatia. Entretanto, na vida, ou a gente “milagrosamente” apanha e descobre qual o melhor caminho e, por conseguinte, obtém opções da “felicidade”, ou alguém aparece para nos dizer que é possível ser médico, que não é só o filho do rico que nasceu com dotes intelectuais extraterrestres, e, por isso, está nas melhores universidades públicas do país, sendo ele o único capaz de se tornar um médico. Esses mitos são derrubados depois das primeiras barreiras vencidas. Saber da existência do vestibular. Após o processo árduo da descoberta, depois de ter dissipado parte da sua existência se preparando para o mercado de trabalho, conformando-se com o inefável pensamento propagado por gerações, de que precisamos ser a mão de obra desqualificada que é explorada, e que de forma análoga à escravidão, tem sua existência sem consciência de si própria. Uma passagem de olhos vedados. Sem saber que as opções não são aquelas impostas, mas as que você, através da possibilidade de discernimento, pode dizer: serei médico! Eis o direito do livre arbítrio, que teoricamente é bonito, não fossem os empecilhos já referidos nesse texto. Bom! Chega de tanto pessimismo… rs  Já sabemos não de tempos atuais que tudo está errado na educação e na equidade desta nesse país.  Sem mais delongas; sobre tentar outra vez… 

Ao final da postagem, você, Leitor, poderá dizer nos comentários, caso não seja seu primeiro ano: qual a motivação que te fez tentar de novo?

No meu caso é simples, não desisto da única escolha que foi puramente decidida por mim, não teve nenhuma influência, ninguém disse que deveria ser médico, pelo contrário, todos diziam coisas péssimas, que me faziam querer desistir – inicialmente -, e até me inferiorizavam mais, com coisas referidas em linhas anteriores, porque não sou de uma família tradicional da elite brasileira. Mas, hoje, graças a ignorar tudo o que me foi dito e buscar o conhecimento, faço parte, assim como você, Leitor, da – infelizmente -, minoritária elite pensante desse país. Ann??! Como assim, elite pensante?! Você se acha, cara! Ei… Se você está tentando medicina e tem acesso às fontes de conhecimento, se estuda e tem oportunidade de se preparar, de lutar para aprender e está aprendendo… Saiba que você é minoria sim. Então, precisa fazer algo com sua oportunidade. Precisa efetivar isso, agir com mais seriedade, ter mais vontade! Ano passado tive minha maior provação, de que a vida, essa que vivemos entorpecidos pelos livros, pelas coleções dos cursinhos, pelas listas intermináveis de questões difíceis… Apesar de saber que a morte é o único fim que não se pode negar a existência, é o término de nossa passagem em um curto período de atividade. Nunca pensei nisso antes de ter visto alguém que para mim – mesmo sabendo da efemeridade da vida – era eterno. Depois de saber que por toda parte que correr nesse planeta finito, nunca mais encontrarei meu avô, nunca mais terei o abraço dele, não mais ouvirei sua voz me chamando, não terei os conselhos que ele sempre me dava, não terei com quem compartilhar a alegria de passar, é como numa letra de uma banda que muitos possuem preconceito, do Fresno, “não há ninguém aqui pra você provar que existe”… Sei que é forte isso, e que melhorei muito. Mas, esse trecho nas proximidades do ocorrido, exemplifica com perfeição o que eu estava sentindo e que só agora vocês sabem do que foi esse impacto em minha vida. Depois ter passado por esse ocorrido, sinto que o Alexandre que vos escreve, passou por uma metamorfose, a versão de agora pensa mais nas pessoas que ficaram, estuda com muito mais seriedade, já que não pode desperdiçar o tempo curto que tem aqui, e quer muito fazer algo grandioso nessa vida. Deixar um legado à sua existência. Lembre-se, não estamos aqui para ficar. Então, quando der aquela vontade de parar de estudar, de que você não tem forças… Estudar é menos doloroso que passar uma vida inteira (a única vida que você tem) desperdiçando tempo fazendo o que os outros querem que você faça. Hoje tenho o apoio das pessoas que ficaram, com o estudo sério, sei que conseguirei efetivar esse ano, já que nos últimos anos, apesar de estudar bastante, eu não estava conectado pela força da seriedade. Era guiado pela motivação de um aventureiro que “testa” situações, que vai avançando, sem cravar a certeza do êxito, guiado pelo acaso. Hoje não, vejo esse ano como único. Não me imagino planejando nada pra 2018 que não tenha relação direta com o início da Faculdade de Medicina na USP (de preferência). A vida não pode ser desperdiçada pelo acaso. É isso que me fez continuar… De todos os anos que presto vestibular, nunca tive nada como isso… Que me dissesse “você não teve seriedade nos anos anteriores, por esse motivo, perdeu a oportunidade de já ter iniciado a faculdade”. Todos nós fazemos o nosso tempo na nossa realização, tudo depende da sua vontade e da sua filosofia, de estar certo de que vai dar certo e fazer acontecer. Porque, quando você começa a estudar e pensar “ano que vem estudo mais”, você já está com a filosofia de quem vai reprovar. Era isso que me tirava a efetividade dos meus atos. A falta de seriedade com um sonho… Não basta ter vontade, confiança e planejamento… Se não houver seriedade com seu sonho, com você, com a sua curta existência. Tudo isso me fez ver esse ano como único, e me fez tomar a coragem que nunca tive, de saber dizer “não”, de evitar os excessos, de estar do lado de quem só terei oportunidade de ver por mais alguns anos, pois as pessoas, infelizmente, morrem. Então, aproveite as pessoas que estão com você! Ame sua mãe, seu pai, seu avô, sua avó, seu irmão, sua irmã, seu tio, sua tia, seu primo, sua prima, seu melhor amigo ou amiga, seus colegas. Ame as pessoas!! Elas, quando partem, fazem uma falta imensa. Sei que você está preocupado com a sua aprovação, mas, não se prive de amor. Nós, humanos, não fomos feitos para sermos isentos de amor, e você, meu caro… Escolheu a medicina, precisará saber amar as pessoas, então, comece pelas que estão na sua vida, porque a pior coisa é procurar alguém e saber que ela não está de viagem e retornará semana que vem, é saber que ela nunca mais vai voltar… Dedique-se. Tenha seriedade e respeito pelo seu planejamento. Siga o que você quer fazer, e ouça a voz interna que grita “faça isso”, você precisa se ouvir, dar-se a oportunidade de ser feliz, porque você também partirá, e fazer isso deixando o seu legado, sendo honesto com você e dando-se alegria, não tem preço. Isso ninguém pode fazer por você, só você mesmo! Desculpem a densidade das palavras, exemplos, etc. Sempre fui franco com vocês e não privei nada. Mas, precisava de um tempo pra criar um texto sobre isso… Agora vocês sabem o porquê realmente meu plano vai dar certo. Não é pela planilha exagerada, afinal, a vida planilhada inexiste, por sua complexidade. Saibam que mudei bastante minha planilha. Sempre que percebi haver algum desequilíbrio ou algo que não estava funcionando. Agora é a sua vez, caso queira compartilhar o que te fez continuar tentando… Me diga nos comentários!! Então, por formalidade farei a pergunta… rs
E você? O que te fez continuar lutando pela Medicina?

Se puder, responta! Abraços e sucesso, doutores! Nos veremos nas Listas de 2018!!

(DIÁRIO) MARÇO DE 2017 – O que ando fazendo do meu conúbio com o vestibular?

PUBLICAÇÃO ||05 de Março de 2017 || ATUAL**

16804473_1290459577697521_8711952319192827990_o

 

Que coisa, heim gente? Eis que estou em meu primeiro diário de 2017! Olhem os meses passando… Lembro que em algum texto atrás vos disse que “um ano voa…”. E não é que isso está acontecendo de novo? Bom! O que ando fazendo da minha vida nesses dias que fiquei meio isolado do Blog. Vejamos… Além de ter posto meu plano de estudos em prática, fazendo várias adaptações e só conseguindo relativo êxito de um esboço fixo em meados de fevereiro, as matérias estão entrando e os registros de “fase concluída” sendo relatados na minha pasta de administração de estudos. Não vou lhes dizer que é alegria o tempo todo, porque já passei por estágios de matéria acumulada, principalmente, antes de pegar ritmo novamente. E muitas coisas que fiz no primeiro calendário que postei aqui no Blog, principalmente no que refere-se ao quadro de provas, tive que dar uma flexibilizada, e melhorar no quesito: distribuição de provas ao longo do ano. Foi uma dor de cabeça extra, mas quando você vai “tocando o barco” no seu roteiro, você vai percebendo o que está dando certo e o que está fazendo a maré se levantar lentamente contra a sua pessoa. Só que nesse momento você precisa utilizar a experiência dos erros para perceber que algo tem que ser feito, e não apenas perceber, senão não adianta de nada! E, daí, cometemos outro erro passado. Não.. Não.. Hoje sou um homem movido pela ação planejada e não pela ação imaginada! Pelos atos pensados, mas, executados! Sem nenhum medo. Os prejuízos podem ser trabalhados, mas o que importa no final não é só a parte. Mas, o todo. De que adianta subir um degrau e vibrar por isso, se você não continuar subindo e subindo, e subindo.. E se dando conta de que você já está perto do final. Então, o todo, o somatório das vitórias é muito importante, porque ele é tudo o que te fez ser o que és hoje! É como vejo. Por isso, mudanças são necessárias sempre que seu instinto e seus resultados dizem que é preciso flexibilizar algo. E minha vida? Só estudos? Não.. Não… Eu não vou dizer pra vocês que sou o “senho baladeiro”, aliás, sou um “furão..”. kkkkk. Furei muito com meus amigos, sou aquele cara que vai desistindo de sair gradativamente, até porque não gosto de sair. Mas, aprendi que o verbo “viver”, não é somente, sair e forçar o divertimento (se isso para você não é divertimento). Viver é fazer o que te faz bem. O que tira a sua sobrecarga, o que gera força motriz pra você atropelar os obstáculos. Eu converso com minha mãe, amo falar com ela até de Futebol!! Vejam, ela ama Futebol, o nosso Corinthians. Eu gosto de ler sobre futebol também, pra ter argumentos com ela… kkkkkkkk E além disso, amo meus irmãos, minha família. Jogo video game também nos finais de semana. O velho “rachão” de futebol com meus irmãos. Aquela briga pra ver quem ganha os campeonatos e quem é o primeiro lugar… Olha o espírito do vestibular em lugares que você nem imaginava… kkkkkkk. Bom, além disso, todo final de semana durmo na casa da minha vó. Lá a gente conversa até tarde, bebo aquele maravilhoso e revitalizador café com leite da vovó na xícara feita sob medida para o meu conforto psicológico kkkkkk, assisto filmes até tarde com meu irmão, e converso muito com minha avó! Ela agora está dormindo mais tarde. Amo minha veinha!! Perdi meu avô, mas onde quer que ele esteja, está feliz em nos ver todos juntos, vivendo. Ele sempre foi alegre e  não ia querer ver só melancolia. Sempre bate aquela tristeza às vezes, é inevitável. Mas, quando isso acontece, nada melhor que curtir a presença daqueles que importam para a gente e que ainda fazem parte desse plano. Esse ano estou com poucos amigos presentes, só os remanescentes que me aturaram… kkkkkk. Todos eles focados no vestibular. Então, já dá pra ver. Converso todo dia com um amigo meu, mas é aquilo.. Falamos uns minutos, nos motivamos, e damos aquele “agora foca aí velho! quero ver você aprovado ano que vem heim, vai estudar!!!”. Todos encarnados. E isso resume a minha ausência. Ah! Estava tendo pouca evolução na academia! kkkkk Então, replanejei isso também, estou malhando em casa. E nas minhas férias (mês que vem) pretendo dar uma intensivada só pra  perder uma barriguinha de herança do sedentarismo… kkkkkkk. Quero correr no parque. Vou ver se consigo convencer minha mãe de ir comigo! Sobre as redes sociais… Dei uma isolada. Eu entro sempre que dá vontade no Facebook (ultimamente, ando muito sem vontade de facebook), só quando dá vontade de postar uma letra do Chico e fazer monólogos sobre essa letra kkkkkk, ou até mesmo postar uma reflexão. Sempre que vem. De tudo, não necessariamente de vestibular… Bom… Perdi meu celular ontem e estou sem WhatsApp, e vejam! Eu só estava entrando no Whats das 21 às 0h30. Que era meu tempo de redes sociais. E muitas vezes nem lembrava de ligar o celular… Então, decidi que só pegarei outro no final do ano. Assim, sem WhatsApp, já me livro da necessidade de ter um horário pra entrar num aplicativo que estava quase esquecido… kkkkkk. E acho que é só isso… Desculpa a informalidade, meu Diário; só queria ser mais próximo de você e de quem o lê. Já que as dissertações já exigem minha atenção gramatical. Não quero mecanizar isso aqui não… kkkkk Chega de vestibular, aqui é pra respirar. Então… Vou nessa!! Estava com saudades. Em breve postarei de novo. Aguardem! rs

O sonho de cursar Medicina na USP Pinheiros

?????????????
Eu e minha amiga Roberta, ambos em busca do sonho de entrar em Medicina na USP Pinheiros.

Salve, caros! Estavam com saudades? Fazia tempo que não conseguia dialogar com vocês, estamos num momento intenso de preparação, sei que muitos de vocês precisam dar um tempo às vezes para recuperar as “energias internas” como assim? U= ³/2 nRT? Bom, se vocês forem um gás… (brincadeira), chega de estudos por enquanto! As energias das quais me refiro, são as “cargas emocionais”, acredito que muitos aqui sonham em fazer parte da USP, então falarei um pouco sobre meu dia na Feira de Profissões. Eu fui ano passado, esse ano também (fui ontem), não me canso de alimentar minha Fé disso tudo, utilizei a foto para ilustrar esse sonho, cheguei a comentar com minha amiga que quando a gente passar, vamos tirar mais uma com a camisa de Calouros, ao lado do Dr. Arnaldo Vieira de Carvalho. Que esse dia seja no início do ano que vem.
Foi bem interessante essa visita, não vou por apresentar atenuada “indecisão”, afinal, os Leitores assíduos já devem ter certeza, tanto quanto eu, que nasci para a MEDICINA, especialmente, a Medicina da USP Pinheiros. Qual seria o motivo dessa visita, então? Simples. Cheguei a comentar com vocês numa publicação recente sobre esse momento complicado que passamos no mês de maio, crises emocionais, cansaço, estresse, solidão, ansiedade, e por aí vão as moléstias socio-psicológicas. Esse é meu 5º ano passando por tudo isso; lendo minhas publicações parece que sou a pessoas mais forte do Universo, calma né gente. Sou ser humano como vocês, tenho problemas também, a diferença é que hoje, após tantas, derrotas criei mais maturidade, me conheço melhor, sei quais atitudes devo tomar para impedir que a tristeza que surja interrompa e interfira em meu ingresso na instituição dos meus sonhos, tudo isso é para fazer com que essa transição, Vestibulando-Calouro, seja a mais harmoniosa possível. Os organismos buscam sempre a homeostasia, significa, através de processos fisiológicos, buscar uma harmonia, o equilíbrio. Sou um ser em constante busca da homeostase, acredito que vocês também. Apesar da “Teoria do Caos”, acredito que uma pessoa feliz, é uma pessoa com paz de espírito. Matérias atrasadas tiram minha paz! (risos eternos). Bom caros, sem mais delongas, vamos aos detalhes da visita!
Inicialmente, chegamos à USP (alguns minutos atrasados) o motorista “bugou” no caminho, mas deu tudo certo. O primeiro setor foi o museu de Medicina, muitas coisas interessantes, tudo sobre a fundação da USP, instrumentos antigos que eram usados, muita história, os progressos tecnológicos e avanços em técnicas cirúrgicas, achei bem interessante a “cápsula do tempo”, que será aberta em 2062 (se não me falha a memória). Após a breve visita no museu, – muito rápida pelo atraso referido -, já tínhamos o tempo à nosso favor, então fomos visitar a sala que são treinados os procedimentos de Urgência e Emergência, vimos o funcionamento do DEA (Desfibrilador Externo Automático) Protocolos de Primeiros Socorros atualizados, fizemos algumas simulações de RCP (Reanimação Cardio-Pulmonar) e a famosa Manobra de Heimlich, para desobstrução das vias aéreas em caso de engasgo. Foi bem interessante, alguns procedimentos mudaram para os profissionais de saúde, a hiperventilação pelo Ambu, o ABC da saúde mudou de ordem (não recordo a atual), várias técnicas foram diferenciadas, hoje é mais importante preservar o cérebro do paciente, por isso, a segurança do local é checada, e a responsividade é mais rápida, pulando direto para a massagem cardíaca e solicitação do DEA ligando no 192, para ampliar a chance de sobrevida enquanto o Resgate não chega.
Após essa visita, tivemos o diálogo com dois calouros e três veteranos, juntamente ao Professor-Doutor responsável pelo acompanhamento deles. Foi um diálogo bem interessante, eu como sempre fiz a minha pergunta! Como sou um pouco sensitivo em algumas coisas, sinto que estou próximo de finalmente realizar meu sonho, não sei se finalmente será em 2016, mas sinto que estou perto! Minha pergunta foi: Como vocês estavam se sentindo no ano em que foram aprovados, como controlavam os estudos e o emocional? As respostas foram bem interessantes, mas uma foi a que eu queria ouvir. Não lembro o nome do Estudante, ele disse que no ano em que foi aprovado ele percebeu que cometeu muitos pecados no ano anterior, estudava de uma forma burra, mas no ano que passou, era mais estratégico, não perdia tempo com o que já sabia e estudava intercalando os horários, quando batia uma “estafa” ou cansaço, ele parava tudo, ía conversar com os amigos, passear pelo cursinho e depois voltava à rotina e enfrentar os exercícios, ele disse inclusive, que no ano em que passou ele trabalhava, trabalhou em dias intercalados numa pizzaria no horário noturno, por isso, acreditem! Tudo é possível com vontade. Ele disse que hoje vive um sonho, inclusive, vocês vão estudar muito mais na Faculdade, mas o interessante é que serão coisas que vocês gostam, hoje ele estuda tanto, mas acaba não percebendo que está estudando, porque quando pega algum caso clínico para tratar, acaba estudando medicamentos, ou algo para aplicar no paciente e quando vê, sem perceber, devora os livros! Gostei muito dessa visão, foi a resposta que eu esperava ouvir. Tiveram várias perguntas um pouco repetitivas, outras desnecessárias, mas muitas proveitosas, sobre as oportunidades das bolsas de iniciação científica, são muito incentivadas e quem quer consegue pois tem muitas, e também falaram sobre alojamento, bolsas para intercâmbio, etc.
Após essa visita, fomos ao Laboratório de Anatomia, vimos vários órgãos (reais) bem explicados pelos orientadores, Fígado, Rins, Cérebro, Pulmões, Braço, Perna, Intestino Grosso e Delgado, um corpo com todos os órgãos dispostos, uma placa com uma técnica de ressonância magnética “envelopada” numa lâmina de vidro, foi até comentado sobre o Médico que conhecia essa técnica, ele foi para Alemanha estudar a técnica, desenvolveu na USP e morreu contaminado pela radiação antes de compartilhá-la com outros Médicos, então as placas estão até hoje para estudos no Laboratório de Anatomia da USP, fora os esqueletos completos montados e reais que tinham lá. Foi bem interessante. Algumas pessoas ficaram sensíveis ao formol, mas ninguém passou mal (risos).
Por último, fomos ao Anfiteatro da Pinheiros para ter a apresentação da Medicina na USP, informações sobre Graduação, Doutorado, Pesquisas Científicas, Grade Curricular, Especializações e depois disso, tivemos o diálogo com os Professores Universitários responsáveis pelo ensino dos acadêmicos, eles são muito sinceros, isso foi bem interessante. Isso é como um “filtro”, quem vem para Medicina atrás de dinheiro – apenas -, já desistiu ali mesmo… (risos). Tiveram perguntas interessantes, obviamente, outras desnecessárias, mas eles responderam todas, mostraram o que a USP espera de nós. Houve até o comentário sobre o suicídio dos Médicos atualmente, tanto de estudantes, como médicos formados, parecia ser uma pergunta desnecessária, mas trouxe reflexão e mostrou que a USP se preocupa com a saúde mental dos Estudantes, e, principalmente, que atualmente, a depressão e outros problemas psiquiátricos estão intimamente ligados aos suicídios de Médicos, por isso eles disseram que é bom além de só estudar, participar da vida Política da Universidade, da Atlética, conviver socialmente e não se isolar de tudo. Não fiz nenhuma pergunta, mas degustei todas as que foram feitas, buscando extrair o que tinha de melhor de cada experiência, a responsável pela atual especialização (talvez eu mude de ideia no internato) que por enquanto quero, Infectologia, não estava, então não haviam perguntas de minha parte. Sobre a graduação, muitas coisas foram esclarecidas, do Ciclo Básico (difícil e importante, segundo os estudantes) ao Internato.
Depois disso tudo, do dia maravilhoso em que recuperei minhas forças para enfrentar mais alguns pesados meses de intenso, porém, estratégico estudo, tirei essa foto com minha amiga, ilustrando a publicação. Tenho muitos amigos que me ajudam, me apoiam e que eu também os apoio, a minha “irmã mais nova”, chamo ela de Sol, a Roberta da foto e todos os outros amigos, eu ficaria aqui fazendo uma lista, todos eles são importantes nessa transição e admiro o caráter e a maturidade deles. É importante que vocês sejam convictos disso: não estamos sozinhos nesse mundo, o distanciamento e a autoexclusão só trazem uma coisa: reprovação, solidão e depressão. Óbvio, toda regra há exceções, mas um dia essas pessoas reclusas hão de precisar de alguém, fomos feitos para viver em sociedade.
Espero que o texto de alguma forma contribua para fazê-lo, – caro Leitor -, ascender como pessoa, e retomar todas as energias para conseguir realizar seu sonho, seja este na USP ou em outra Faculdade de Medicina, que você alcance seu objetivo, só você pode fazer isso se tornar real, valorize-se, respeite seus limites e voe para sua aprovação!