ENEM: meu desenvolvimento comparado

Fala galera! Uma postagem que devia há algum tempo resolvi criar coragem e fazê-la logo em vídeo! Inscrevam-se para acompanhar o vlog extensão do nosso blog! Espero que ajude aqueles que estão desanimados com o desenvolvimento. Acreditem sempre, vejam como eu literalmente “engatinhei” até tirar minha maior média esse ano. Lembrando que se não conseguir, vai ser mais um ano de luta direcionada, até vir minha aprovação. ♥

Anúncios

Quem é vivo sempre aparece…rsrs E o saldo? Quais as novas?

Salve galera!! Quanto tempo heim?!! Como vocês estão? Esperançosos? Tristes? Angustiados? Receosos? Eu não sei qual é a resposta de vocês, mas eu estou numa fusão de leve ansiedade com um pouco de esperança. Apesar de não ter ido para a segunda fase da Fuvest, estou satisfeito com meu retrospecto esse ano. Melhorei em muitas coisas, e incrivelmente esse ano o que me fez não ir para a fase da Fuvest foram as Humanas (área que sempre vou bem), a prova elevou o grau de dificuldade em História e em parte das questões de Português, esse ano fui muito bem em exatas, ao contrário dos outros, mas não fui o suficiente em alguns detalhes pra passar. Minha promessa é, quando eu passar criarei uma postagem com todas as minhas notas nas provas que fiz, desde o começo. Por enquanto, não adianta perguntar, pois não irei falar! rsrs Só posso dizer que estou com esperança de conseguir esse ano algo pelo ENEM ou pela UNIFESP. Esse ano só prestei a prova do ENEM, FUVEST e UNIFESP. Não estava com vontade de esparsar meu desempenho, senti que nas outras poderia não ir bem, por não ter focado nelas ao longo do ano, e a tristeza de provavelmente não ir bem nelas, poderia ocasionar quedas no meu retrospecto nas provas que teria chance de passar. Foi por isso que optei de última hora só prestar essas provas. Pra quem quiser um “repelente” pra não ser indagado em demasia nas festas de final de ano sobre as provas, sugiro uma brincadeirinha na capa do perfil do Facebook de vocês, eu fiz esse e coloquei no meu… rsrs

MLIORRR
Simplesmente, capa do meu Perfil…rs

Se o plano que segui esse ano tiver dado certo e minha nota for suficiente para conseguir uma vaga em Medicina, criarei uma postagem explicando melhor como estudei, como fiz pra flexibilizar o que não deu certo, e como estudei as matérias que tinha mais dificuldade. Acho válido criar essa postagem, mesmo que não seja aprovado esse ano, pois posso dizer à vocês que fui muito melhor do que estava indo quado fazia cursinho. Nada contra os cursinhos, é que eu não aguentava mais, estava me acabando, não tinha alegria pra mais nada, não conseguia aprofundar nada (não dava tempo), não conseguia resolver provas antigas, não conseguia sair, não podia viver. Tudo isso contribuiu para meu crescimento nos primeiros anos, e no último, para minha maior queda. Justamente intensificado pela morte do meu avô. Depois desse ocorrido pensei muito até tomar coragem de estudar exclusivamente por minha conta. Foi uma escolha bem complicada, mas foi a melhor! Esse ano tive tudo, tive tempo pra estudar, pra dormir, pra sair (raramente saio), pra assistir coisas que gosto na internet (Futebol, desenhos, séries, tudo com moderação), tive tempo pra ficar com minha família, sempre por perto. E o principal, nos momentos em que geralmente no cursinho eu estava angustiado e sozinho, eu tinha minha família por perto. Isso fez muita diferença em meu ano. Apesar de saber que eu poderia ter ido melhor esse ano. Eu já fui muito melhor que ano passado, e quando digo “muito”, não é pouca coisa, são passos largos. Ano passado tive uma queda gigantesca no meu rendimento, e não foi por falta de preparo, conhecimento, nada disso… Foi principalmente emocional. Eu precisava dessa reabilitação que tive esse ano. Eu precisava respirar, sem necessariamente deixar de estudar. A única coisa que não consegui cumprir esse ano, foi ficar fitness… rsrs Infelizmente nem tudo dá certo. Mas, minha meta agora é melhorar meu físico. Dei uma boa relaxada nessa parte. Já começarei firme em janeiro, e verei se consigo fazer caminhada com minha mãe, assim ainda abarco ela nessa vida saudável. Pra prolongar o tempo com ela! Saúde é tudo, gente, não adianta ficar bitolando, se matando, se você não tiver tempo pra desfrutar as conquistas das renúncias que fez. E tempo que digo não é o cronológico, que mensuramos maquinalmente, digo, especialmente o tempo de vida, aquele que você aumenta conforme se cuida fisicamente, emocionalmente, psicologicamente… Se você está uma estafa, explodindo, não aguenta mais nada… Repense algumas coisas. Porque não é normal estar dessa forma e querer continuar assim. É preciso atitude pra trazer de volta a vitalidade que se tinha antes, mesmo que as corrosões dessa vida de vestibulando tentem tirar o sorriso do seu rosto. E aos que foram para as respectivas segundas fases que fizeram, meus PARABÉNS! Se quiserem uma dica nesse momento, só diria que mantenham a calma, durmam bem e só resolvam provas de segunda fase, aproveitem as resoluções dos cursinhos.. E nada de perder tempo vendo várias aulas. Só reveja algum assunto específico que você tenha errado na prova que fez. Se não entender a resolução do cursinho, dá tempo de pegar esse tópico isolado e rever a teoria, fazer uns exercícios de fixação, e tentar resolver de novo a questão da prova. E ir assim até o penúltimo dia antes da prova. Depois, tire um dia pra relaxar, ver um filme, sair, dormir o dia todo.. E boa segunda fase!

O que estou fazendo agora?

Então, atualmente estou dormindo demais. Retomando alguns assuntos gradualmente, porque não consigo esperar resultado de vestibular, desse modo, na pior das hipóteses  – se reprovar -, estarei bem adiantado. Visto que meu planejamento já está feito, com mudanças pontuais no que aparentemente não deu muito certo. Por exemplo, aumentei a prioridade das questões escritas, pra ficar mais ágil nelas. Também, incluí mais provas escritas, além disso, meu plano é terminar mais rápido os assuntos, pois prestarei Unesp do meio do ano, e quero chegar com condições de passar entre os mais bem classificados no curso de maior corte. Assim, treino para a Unesp do final de ano. E outra mudança, é que farei todas as provas que não fiz esse ano. Com os ajustes que alterei, certamente conseguirei chegar confiante em todas as provas que prestar. Mas, calma… Parece que estou me enchendo de estudos agora, sem descansar… Ai meu Deus, que vida desgastante… rs Calma lá! Esse ano consegui terminar meus estudos antes do tempo planejado, o que ajudou foi já conhecer uma boa quantidade de assuntos que acabou agilizando o processo. Isso me possibilitou em meados da segunda metade de outubro, só ficar fazendo revisão e prova, depois, em novembro, era basicamente dormir e prova. Então, descansei bastante. Dormi muito. E quando estava cansado, simplesmente não fazia nada, dormia o dia todo. Foi bem estratégico meu ano. Então, pra torná-lo ainda melhor, se meu nome não aparecer na Lista, continuarei embalado. Porque não vou esperar até fevereiro pra saber se farei minha matrícula. É muito tempo… Especialmente por não ter mais tempo a perder, se não passar esse ano, é por detalhes. Então, não vejo motivos pra parar. Se ficar parado por muito tempo, começo a me sentir inseguro, a esquecer algumas coisas, a atrasar, porque até pegar ritmo novamente… Leva algumas semanas. Então, estou estudando mais gradualmente. Assim, não fico angustiado esperando resultados… rsrs Outra, também estou lendo uns livros muito bons! Nenhum livro obrigatório, não que eu não goste, gostei dos livros da Fuvest, mas sempre quis ler outras coisas e não tinha tempo, agora dá! O único livro obrigatório que lerei é “A Relíquia” do Eça de Queirós, pois ele entrou no lugar de “A Cidade e as Serras” do mesmo autor. Fora isso, comprei Asimov “Os próprios deuses”, “Sapiens – Uma breve história da humanidade” do Yuval Noah Harari, e ganhei a coleção “1808, 1822 e 1889” do Laurentino Gomes, entre outros que pegarei ao longo do ano, como, por exemplo, “Homo Deus” do mesmo autor de “Sapiens”, então aproveitarei bastante dessa forma. E sobre festas, só irei numa festa de natal da minha avó. Não saio ano novo. Ficarei com minha mãe em casa, amo ficar tranquilo, tomar champagne lá, fazendo o que gosto, sem ir pra loucura que fica na rua, nas festas, etc. Sinceramente? Odeio muita zona… rsrs Sou mais reservado.

O que farei se passar esse ano?

Sinceramente, não sei… A única coisa que sinto que sentirei é vontade de chorar, de gritar, mas, não dá pra prever nada. Cheguei a dar início num texto sobre a aprovação, é bom porque ele começa a ser escrito num momento em que não sei se vou passar, daí, a continuidade virá já no momento da aprovação. Então, essa gradação de sentimentos, esse paradoxo de sensações… Será sentido por vocês quando eu postar. Já aviso que será longo! Mas, nesse momento tudo é especulação. Apesar de sentir que existe a possibilidade de passar esse ano, coisa que já é nova, visto que nunca senti isso em anos anteriores. Pra mim só resta esperar.

O que achei das provas desse ano?

As provas estão seguindo uma tendência já sabida, estão ficando mais conteudistas. Isso é bem óbvio. Direi dá mais notória, se tiverem dúvidas de outras, mandem nos comentários. Bom, o Enem foi bem tranquilo no primeiro dia, apesar de ter coisas complicadas, lembre-se que as questões que pesam são as fáceis, sem quebrar a linearidade, o que mostra regularidade no acerto, valorizando seu conceito na TRI (Teoria de Resposta ao Item). Já o segundo dia… Foi o que mais perdi pontos. Não tinha como ir bem em tudo, já que a prova não estava equilibrada, muitos cálculos e umas pegadinhas em Natureza, e muitos cálculos complexos e outros longos em Matemática, detalhe, com pegadinha. Acho que o ENEM é uma prova que não dá pra ficar perdendo tempo, você faz e tchau. Parte pra próxima. Se ficar perdendo tempo raciocinando em questão, não conseguirá acertar quase nada. Fora que colocar pegadinhas é sacanagem. O Nível de atenção se reduz pela necessidade de avançar rápido. Eu estava tendo tempos recordes nas provas antigas, e perdi muito tempo no dia da prova. Eu treinava com um aplicativo de contagem regressiva. A cada prova, reduzia cinco minutos do tempo máximo da prova anterior. Chegou um momento que o tempo estava tão escasso, que tinha que correr pra terminar a prova. Isso me ajudou muito esse ano. São muitas experiências pra caberem em uma única postagem… rsrs Mas, sobre a prova, essa foi minha impressão. E sobre a Redação, terminei tão rápido a prova de Humanas e Linguagens, que me restaram duas horas para criar o texto. Apesar de ter sido um tema específico, tive tempo de aplicar todo treino que fiz ao longo desse ano, e creio que meu texto ficou muito coerente. Me esforcei bastante. Só não digo com convicção que conseguirei esse ano, porque a Redação tem um peso vitalício ou letal. Então, como na passagem anterior… Aguardemos o resultado! rsrs Creio que a TRI esse ano vai surpreender muita gente positivamente. Não que a média vá cair, jamais. Mas, se antes pra fazer, por exemplo, 750 em Matemática, uma pessoa precisava de umas 30 questões, talvez nessa prova, pela dificuldade, ela necessite apenas de 25 ou quem sabe, um pouco menos. Então, aguardemos galera! É a minha experiência de 7 anos prestando ENEM que diz isso. Não se assustem com os “7 anos”, não foram todos Medicina, nem, tampouco, estudando.

Considerações Finais

Desculpem a demora pra postar, vocês sabem que estamos caminhando no mesmo trilho, com o objetivo de não descarrilar… Então, é sabido que posso me ausentar como ocorreu, mas, não esqueço jamais o Blog. Ele contém meus relatos mais íntimos, desde quando eu era apenas um vestibulando de primeira viagem. Não tenho nenhuma diferença de você que está começando, tampouco de você que já está calejado. Temos as mesmas dificuldades, angústias, incertezas. Talvez não em mesma intensidade, mas são as mesmas indagações. Queremos Medicina! E vamos conseguir. Então, equilíbrio, simplicidade e busque o que te faz bem. Esqueça os resultados, eles são inevitáveis. Só aproveite a finitude com as pessoas que valem a pena ter, pois elas não são eternas, mas não se esqueça, você também não é. Então, se valorize e se cuide. Boas festas!! E muito obrigado por ter chegado até aqui. Recomende o Blog para seus amigos, e me siga no Instagram, muita coisa que não posto aqui, está lá! rsrs

O que me motivou a continuar tentando Medicina? (Tente outra vez!)

3959364_x720
Em 2018, é nesse lugar que quero estar!!

Já dizia o amado Raul Seixas, na sua canção antológica “Tente outra vez”. Nunca essa breve frase fez tanto sentido como na vida de quem luta por algo grandioso, assim como nós, vestibulandos de medicina. Daí, Renato Russo complementa o “tente outra vez”, com: “quem acredita sempre alcança”. Antes de ser vestibulando, na minha fase de inexistência de consciência de qual vida gostaria de viver, quando não acreditava em mim e nem que meu futuro poderia ser modificado para o que eu quisesse com as ações do agora, eu ouvia essas canções com apatia, sem nenhuma empatia. Entretanto, na vida, ou a gente “milagrosamente” apanha e descobre qual o melhor caminho e, por conseguinte, obtém opções da “felicidade”, ou alguém aparece para nos dizer que é possível ser médico, que não é só o filho do rico que nasceu com dotes intelectuais extraterrestres, e, por isso, está nas melhores universidades públicas do país, sendo ele o único capaz de se tornar um médico. Esses mitos são derrubados depois das primeiras barreiras vencidas. Saber da existência do vestibular. Após o processo árduo da descoberta, depois de ter dissipado parte da sua existência se preparando para o mercado de trabalho, conformando-se com o inefável pensamento propagado por gerações, de que precisamos ser a mão de obra desqualificada que é explorada, e que de forma análoga à escravidão, tem sua existência sem consciência de si própria. Uma passagem de olhos vedados. Sem saber que as opções não são aquelas impostas, mas as que você, através da possibilidade de discernimento, pode dizer: serei médico! Eis o direito do livre arbítrio, que teoricamente é bonito, não fossem os empecilhos já referidos nesse texto. Bom! Chega de tanto pessimismo… rs  Já sabemos não de tempos atuais que tudo está errado na educação e na equidade desta nesse país.  Sem mais delongas; sobre tentar outra vez… 

Ao final da postagem, você, Leitor, poderá dizer nos comentários, caso não seja seu primeiro ano: qual a motivação que te fez tentar de novo?

No meu caso é simples, não desisto da única escolha que foi puramente decidida por mim, não teve nenhuma influência, ninguém disse que deveria ser médico, pelo contrário, todos diziam coisas péssimas, que me faziam querer desistir – inicialmente -, e até me inferiorizavam mais, com coisas referidas em linhas anteriores, porque não sou de uma família tradicional da elite brasileira. Mas, hoje, graças a ignorar tudo o que me foi dito e buscar o conhecimento, faço parte, assim como você, Leitor, da – infelizmente -, minoritária elite pensante desse país. Ann??! Como assim, elite pensante?! Você se acha, cara! Ei… Se você está tentando medicina e tem acesso às fontes de conhecimento, se estuda e tem oportunidade de se preparar, de lutar para aprender e está aprendendo… Saiba que você é minoria sim. Então, precisa fazer algo com sua oportunidade. Precisa efetivar isso, agir com mais seriedade, ter mais vontade! Ano passado tive minha maior provação, de que a vida, essa que vivemos entorpecidos pelos livros, pelas coleções dos cursinhos, pelas listas intermináveis de questões difíceis… Apesar de saber que a morte é o único fim que não se pode negar a existência, é o término de nossa passagem em um curto período de atividade. Nunca pensei nisso antes de ter visto alguém que para mim – mesmo sabendo da efemeridade da vida – era eterno. Depois de saber que por toda parte que correr nesse planeta finito, nunca mais encontrarei meu avô, nunca mais terei o abraço dele, não mais ouvirei sua voz me chamando, não terei os conselhos que ele sempre me dava, não terei com quem compartilhar a alegria de passar, é como numa letra de uma banda que muitos possuem preconceito, do Fresno, “não há ninguém aqui pra você provar que existe”… Sei que é forte isso, e que melhorei muito. Mas, esse trecho nas proximidades do ocorrido, exemplifica com perfeição o que eu estava sentindo e que só agora vocês sabem do que foi esse impacto em minha vida. Depois ter passado por esse ocorrido, sinto que o Alexandre que vos escreve, passou por uma metamorfose, a versão de agora pensa mais nas pessoas que ficaram, estuda com muito mais seriedade, já que não pode desperdiçar o tempo curto que tem aqui, e quer muito fazer algo grandioso nessa vida. Deixar um legado à sua existência. Lembre-se, não estamos aqui para ficar. Então, quando der aquela vontade de parar de estudar, de que você não tem forças… Estudar é menos doloroso que passar uma vida inteira (a única vida que você tem) desperdiçando tempo fazendo o que os outros querem que você faça. Hoje tenho o apoio das pessoas que ficaram, com o estudo sério, sei que conseguirei efetivar esse ano, já que nos últimos anos, apesar de estudar bastante, eu não estava conectado pela força da seriedade. Era guiado pela motivação de um aventureiro que “testa” situações, que vai avançando, sem cravar a certeza do êxito, guiado pelo acaso. Hoje não, vejo esse ano como único. Não me imagino planejando nada pra 2018 que não tenha relação direta com o início da Faculdade de Medicina na USP (de preferência). A vida não pode ser desperdiçada pelo acaso. É isso que me fez continuar… De todos os anos que presto vestibular, nunca tive nada como isso… Que me dissesse “você não teve seriedade nos anos anteriores, por esse motivo, perdeu a oportunidade de já ter iniciado a faculdade”. Todos nós fazemos o nosso tempo na nossa realização, tudo depende da sua vontade e da sua filosofia, de estar certo de que vai dar certo e fazer acontecer. Porque, quando você começa a estudar e pensar “ano que vem estudo mais”, você já está com a filosofia de quem vai reprovar. Era isso que me tirava a efetividade dos meus atos. A falta de seriedade com um sonho… Não basta ter vontade, confiança e planejamento… Se não houver seriedade com seu sonho, com você, com a sua curta existência. Tudo isso me fez ver esse ano como único, e me fez tomar a coragem que nunca tive, de saber dizer “não”, de evitar os excessos, de estar do lado de quem só terei oportunidade de ver por mais alguns anos, pois as pessoas, infelizmente, morrem. Então, aproveite as pessoas que estão com você! Ame sua mãe, seu pai, seu avô, sua avó, seu irmão, sua irmã, seu tio, sua tia, seu primo, sua prima, seu melhor amigo ou amiga, seus colegas. Ame as pessoas!! Elas, quando partem, fazem uma falta imensa. Sei que você está preocupado com a sua aprovação, mas, não se prive de amor. Nós, humanos, não fomos feitos para sermos isentos de amor, e você, meu caro… Escolheu a medicina, precisará saber amar as pessoas, então, comece pelas que estão na sua vida, porque a pior coisa é procurar alguém e saber que ela não está de viagem e retornará semana que vem, é saber que ela nunca mais vai voltar… Dedique-se. Tenha seriedade e respeito pelo seu planejamento. Siga o que você quer fazer, e ouça a voz interna que grita “faça isso”, você precisa se ouvir, dar-se a oportunidade de ser feliz, porque você também partirá, e fazer isso deixando o seu legado, sendo honesto com você e dando-se alegria, não tem preço. Isso ninguém pode fazer por você, só você mesmo! Desculpem a densidade das palavras, exemplos, etc. Sempre fui franco com vocês e não privei nada. Mas, precisava de um tempo pra criar um texto sobre isso… Agora vocês sabem o porquê realmente meu plano vai dar certo. Não é pela planilha exagerada, afinal, a vida planilhada inexiste, por sua complexidade. Saibam que mudei bastante minha planilha. Sempre que percebi haver algum desequilíbrio ou algo que não estava funcionando. Agora é a sua vez, caso queira compartilhar o que te fez continuar tentando… Me diga nos comentários!! Então, por formalidade farei a pergunta… rs
E você? O que te fez continuar lutando pela Medicina?

Se puder, responta! Abraços e sucesso, doutores! Nos veremos nas Listas de 2018!!

(DIÁRIO) MARÇO DE 2017 – O que ando fazendo do meu conúbio com o vestibular?

PUBLICAÇÃO ||05 de Março de 2017 || ATUAL**

16804473_1290459577697521_8711952319192827990_o

 

Que coisa, heim gente? Eis que estou em meu primeiro diário de 2017! Olhem os meses passando… Lembro que em algum texto atrás vos disse que “um ano voa…”. E não é que isso está acontecendo de novo? Bom! O que ando fazendo da minha vida nesses dias que fiquei meio isolado do Blog. Vejamos… Além de ter posto meu plano de estudos em prática, fazendo várias adaptações e só conseguindo relativo êxito de um esboço fixo em meados de fevereiro, as matérias estão entrando e os registros de “fase concluída” sendo relatados na minha pasta de administração de estudos. Não vou lhes dizer que é alegria o tempo todo, porque já passei por estágios de matéria acumulada, principalmente, antes de pegar ritmo novamente. E muitas coisas que fiz no primeiro calendário que postei aqui no Blog, principalmente no que refere-se ao quadro de provas, tive que dar uma flexibilizada, e melhorar no quesito: distribuição de provas ao longo do ano. Foi uma dor de cabeça extra, mas quando você vai “tocando o barco” no seu roteiro, você vai percebendo o que está dando certo e o que está fazendo a maré se levantar lentamente contra a sua pessoa. Só que nesse momento você precisa utilizar a experiência dos erros para perceber que algo tem que ser feito, e não apenas perceber, senão não adianta de nada! E, daí, cometemos outro erro passado. Não.. Não.. Hoje sou um homem movido pela ação planejada e não pela ação imaginada! Pelos atos pensados, mas, executados! Sem nenhum medo. Os prejuízos podem ser trabalhados, mas o que importa no final não é só a parte. Mas, o todo. De que adianta subir um degrau e vibrar por isso, se você não continuar subindo e subindo, e subindo.. E se dando conta de que você já está perto do final. Então, o todo, o somatório das vitórias é muito importante, porque ele é tudo o que te fez ser o que és hoje! É como vejo. Por isso, mudanças são necessárias sempre que seu instinto e seus resultados dizem que é preciso flexibilizar algo. E minha vida? Só estudos? Não.. Não… Eu não vou dizer pra vocês que sou o “senho baladeiro”, aliás, sou um “furão..”. kkkkk. Furei muito com meus amigos, sou aquele cara que vai desistindo de sair gradativamente, até porque não gosto de sair. Mas, aprendi que o verbo “viver”, não é somente, sair e forçar o divertimento (se isso para você não é divertimento). Viver é fazer o que te faz bem. O que tira a sua sobrecarga, o que gera força motriz pra você atropelar os obstáculos. Eu converso com minha mãe, amo falar com ela até de Futebol!! Vejam, ela ama Futebol, o nosso Corinthians. Eu gosto de ler sobre futebol também, pra ter argumentos com ela… kkkkkkkk E além disso, amo meus irmãos, minha família. Jogo video game também nos finais de semana. O velho “rachão” de futebol com meus irmãos. Aquela briga pra ver quem ganha os campeonatos e quem é o primeiro lugar… Olha o espírito do vestibular em lugares que você nem imaginava… kkkkkkk. Bom, além disso, todo final de semana durmo na casa da minha vó. Lá a gente conversa até tarde, bebo aquele maravilhoso e revitalizador café com leite da vovó na xícara feita sob medida para o meu conforto psicológico kkkkkk, assisto filmes até tarde com meu irmão, e converso muito com minha avó! Ela agora está dormindo mais tarde. Amo minha veinha!! Perdi meu avô, mas onde quer que ele esteja, está feliz em nos ver todos juntos, vivendo. Ele sempre foi alegre e  não ia querer ver só melancolia. Sempre bate aquela tristeza às vezes, é inevitável. Mas, quando isso acontece, nada melhor que curtir a presença daqueles que importam para a gente e que ainda fazem parte desse plano. Esse ano estou com poucos amigos presentes, só os remanescentes que me aturaram… kkkkkk. Todos eles focados no vestibular. Então, já dá pra ver. Converso todo dia com um amigo meu, mas é aquilo.. Falamos uns minutos, nos motivamos, e damos aquele “agora foca aí velho! quero ver você aprovado ano que vem heim, vai estudar!!!”. Todos encarnados. E isso resume a minha ausência. Ah! Estava tendo pouca evolução na academia! kkkkk Então, replanejei isso também, estou malhando em casa. E nas minhas férias (mês que vem) pretendo dar uma intensivada só pra  perder uma barriguinha de herança do sedentarismo… kkkkkkk. Quero correr no parque. Vou ver se consigo convencer minha mãe de ir comigo! Sobre as redes sociais… Dei uma isolada. Eu entro sempre que dá vontade no Facebook (ultimamente, ando muito sem vontade de facebook), só quando dá vontade de postar uma letra do Chico e fazer monólogos sobre essa letra kkkkkk, ou até mesmo postar uma reflexão. Sempre que vem. De tudo, não necessariamente de vestibular… Bom… Perdi meu celular ontem e estou sem WhatsApp, e vejam! Eu só estava entrando no Whats das 21 às 0h30. Que era meu tempo de redes sociais. E muitas vezes nem lembrava de ligar o celular… Então, decidi que só pegarei outro no final do ano. Assim, sem WhatsApp, já me livro da necessidade de ter um horário pra entrar num aplicativo que estava quase esquecido… kkkkkk. E acho que é só isso… Desculpa a informalidade, meu Diário; só queria ser mais próximo de você e de quem o lê. Já que as dissertações já exigem minha atenção gramatical. Não quero mecanizar isso aqui não… kkkkk Chega de vestibular, aqui é pra respirar. Então… Vou nessa!! Estava com saudades. Em breve postarei de novo. Aguardem! rs

O abraço de alívio chegará! Tenha paciência se não foi dessa vez.

g_121725031

Eu fiquei devendo as postagens sobre como fui nas minhas provas, vou explicando-lhes conforme essa postagem, mas antes quero ter uma conversa com vocês , uma conversa muito séria, de quem passou por tudo que vocês estão passando em 4 anos como Vestibulando de Medicina. Hoje estou mais calejado, cansado, apanhei demais nesses anos, sofro ainda quando não vou bem, mas sei lidar melhor com esse sofrimento.
Esse é um mês complicado, muitos já concluíram suas atividades, alguns foram para segunda fase de vários vestibulares almejados como (Unicamp, Fuvest) e, perderão as festas se preparando; outros já estão cientes da reprovação e estão sofrendo ou fazendo planos para o ano que vem, vendo se farão cursinho ou estudarão sozinhos, não sei qual seu perfil leitor, aos que passaram, calma, vocês estão no caminho certo, parabéns. Aos que não passaram, minha conversa é com vocês.
É importante sofrer, chorar muito, mas não diga que você é um “burro”, ou coisas do tipo, – eu já fiz isso -, ninguém que é “burro” tem o dom de pensar criticamente sobre seu estado de espírito e decidir seu próprio destino, saiba que você se preparou muito para estar aqui, você escolheu – ou ela te escolheu – a carreira mais difícil do País, não era para ser assim, se pensássemos em vocação, mas infelizmente a mídia e vários “programinhas médicos”, – desculpem o termo, trazem o Médico como um Deus, e todos querem ser esse Deus, até quem não tem vocação, mas quer “Status”, quem sou eu para julgar, todos nós temos nosso direito de escolha, o homem é escravo do seu próprio “livre arbítrio”, ter o direito de escolher o que lhe convém, traz alguns sofrimentos aos indecisos, mas não à quem realmente sabe o que quer, acredito que esse seja você, Vestibulando de Medicina.
Então, passado o sofrimento solitário, ou com sua família, descanse muito esse resto de ano e um pouco do outro, quando sentir-se bem – espero que não sejam cinco meses de descanso (risos) -, pegue as provas que você fez, é o momento de ser racional e deixar um pouco de lado o emocional, veja quais foram as questões que você errou, saiba analisar se o erro foi por despreparo intelectual em alguma disciplina, ou se foi despreparo emocional, além disso, também existem outros fatores, descontrole do tempo, estratégia ineficaz de resolução, ou até mesmo medo da cara da questão, existem muitos fatores que podem ter contribuído para seu insucesso, avalie bem, mensure bem seus erros, mas também admita suas qualidades, você é diferente, está aqui perdendo seu valioso tempo para saber como pode melhorar seu desempenho, eu te admiro muito por essa força de vontade, sobretudo, pela sua vontade de ser médico e mudar um pouco nossa saúde e humanidade, torço pelo seu sucesso!
Visto quais problemas te afetaram, é hora de trabalhar, comece montando uma tabela ou planilha de ação, essa tabela terá que conter coisas simples, – acredito eu que vocês farão cursinho, quem não fizer, monte do mesmo jeito -, as informações da sua planilha deverão ser bem simplistas, só as disciplinas que prejudicaram seu vestibular, antes de começar a estudar pra valer, que geralmente é lá no fim de Fevereiro ou Início de Março, acabe com suas dúvidas banais, trabalhe muito nesses itens – espero que sejam poucos -, mas trabalhe-os, veja coisas básicas que te afetaram, como Matemática Básica, acredite, uma simples fração pode prejudicar todo seu cálculo mais complexo de balística ou qualquer conteúdo de Física que pede a Razão de alguma coisa e que cai na divisão de fração, até mesmo a noção mais básica de Trigonometria e das Razões Trigonométricas podem te ajudar muito quando você decompor todas as forças de um corpo num plano inclinado, você saberá se virar muito bem com conceitos básicos que geralmente não damos tanta atenção! Se você não souber essas coisas, não se preocupe, terá um ano inteiro para correr atrás disso.
Outra coisa importante, isso talvez seja mais eficaz quando você começar o cursinho ou seu plano de guerra em casa, na biblioteca, sala de estudos, não importa onde, desde que seja na solidão de um ambiente que te torne produtivo! Não adianta estudar 24 horas se você entendeu apenas uma disciplina, mostre para si que você é inteligente, não queira ser exemplo para os outros, mas sim para você, estude com estratégia, viva também, talvez seu insucesso foi algo que todos nós sofremos em algum momento da nossa preparação, que é ser “bitolado” ao extremo, por causa da visão “clichê” do vestibulando de Medicina ser o que mais estuda, e bla, bla, bla, não é feio querer aprender, mas há uma matéria anterior à essa que diz sobre “estafa mental”, isso pode acabar com seu ano e você tem que ter saúde para ser Acadêmico de Medicina, equilibre seus eixos mentais estudando de forma eficiente e valorizando a vida que você tem! Saindo das “broncas”, odeio fazer isso, mas é um alerta (risos), faça algo que poucas pessoas fazem, sim, poucas! Imprima o máximo de provas que você puder (provas que você irá prestar), deixe-as guardadas e ao longo do seu preparo, sempre tenha um dia reservado, ou horas reservadas para resolver essas provas já aplicando e testando suas táticas sob pressão, treinando tempo, estratégias de resolução, etc. Não prenda-se apenas aos simulados dos cursinhos, almeje mais, trabalhe você mesmo seus eixos cognitivos, você verá que irá melhorando gradativamente, não se espante ou se entristeça com os resultados, tenha apenas equilíbrio, também não precisa levar tudo com “naturalidade”, crie gráficos com suas evoluções, exemplo: “Tempo/ quantidade de questões corretas”, isso pode te ajudar para ver o quão você é produtivo por tempo de prova, é algo importantíssimo e que pode te dar uma noção se realmente seu problema é cognitivo ou se é descontrole do tempo, você vai se moldando conforme os resultados, pode parecer cansativo, inviável e até mesmo desnecessário, mas você quer o quê? Quer ser Médico! E será Médico! Sempre olhe-se no espelho, não veja como loucura, mas valorize-se, apesar de todos os apoios e todas as pessoas maravilhosas que aparecem em nossa vida querendo nos ajudar, só quem pode dar um pontapé naquela prova “marrenta” que é um simples “papel borrado de tinta” é você, não será “papel e tinta” que irá apagar tudo o que você construiu, levante a cabeça, porque outras pessoas que não foram bem estão fazendo isso, não sofra demais, só o necessário para recomeçar, você é forte, não serão todos os dias maravilhosos, serão cansativos e desestimulantes, mas tudo isso será compensado quando você estiver disperso e alguém te ligar falando que saiu a lista da Fuvest ou qualquer outro Vestibular, e você olhar, ver seu nome e não acreditar, até achar que erraram seu nome, cara, esse dia vai chegar e você vai chorar muito, um choro de felicidade, de desabafo e de alegria, por isso aguente firme, tudo irá valer a pena!
Eu não terminei, prometi que diria como fui nas provas, o intuito não é dar valores, acho a coisa mais patética querer ficar comparando resultados com outras pessoas, se você se conhece, não precisa do insucesso de alguém para se sentir bem, preocupe-se com você, invista em você, seja seu próprio investimento! Bom, prestei alguns vestibulares, ou vários, – dependendo da perspectiva. Fiz ENEM, Unicamp, Unesp, Fuvest, Unifesp, Famerp, acho que foram só essas. Não fui tão bem na Fuvest, não fui para segunda fase, na Unesp não fui por um pontinho, quem viu o corte saberá minha nota, no ENEM, como foi a primeira prova do ano – meio na transição -, entendam por confusão, eu fui bem, mas dependo do TRI (Teoria de Resposta ao Item) e da Redação, não quero ter surpresas negativas, na Unifesp eu melhorei levemente no primeiro dia, acertei três questões a mais, mas considero uma melhora satisfatória, pois não foi algo “chutado”, inconsciente, foram acertos conscientes, isso é o mais importante, no segundo dia da Unifesp fui melhor que esperava, não sei se conseguirei passar, mas estou satisfeito demais, ano passado zerei as exatas da segunda fase da Unifesp, sim, nenhum pontinho, Biologia como sempre, minha matéria preferida, acertei todos os itens. Já a Famerp, fui mal no primeiro dia apesar de ter adorado o processo deles, no segundo fui bem, mas não sei se o suficiente para passar. Na Unicamp fui bem, mas não passei para segunda fase, depois soube que o corte foi para 80 pontos, caramba! Errar só dez, mas calma, a Unicamp estava fácil, mais fácil ainda para quem se preparou melhor.
Como falei que o intuito era só dizer como fui, foi isso, não sei se conseguirei passar, tudo pode acontecer, mas não irei aguardar, já estou planejando meus estudos e vendo o que precisarei trabalhar antes de começar o cursinho, – os erros das provas -, estes sempre estão escancarados nas provas que fizemos, trabalhe seu erro, ele é o maior indicador do que você precisa melhorar e estudar mais, não a imensidão de coisas desnecessárias, como dominar Pirâmides Ecológicas, e só por isso, fazer 999 exercícios disso, cara? Perda de tempo! Se é para ficar feliz, saia um pouco, veja amigos antigos, jogue futebol, brinque com seu cachorro que sempre rasga suas apostilas (risos), mas não apele dessa forma, trabalhe coisas que te atrapalharam, tudo o que o cursinho passa é bom ter uma boa noção, mas superar o seu “eu” passado, não tem coisa mais gratificante que isso.  Novos problemas aparecerão, mas por ter aprendido como deve fazer, você intuitivamente irá se aperfeiçoar nas ferramentas que precisar usar, quando você notar nos exercícios, sem auxílio de apostila, o assunto específico, você estará no caminho certo e até irá prever assuntos que sempre se repetem, acreditem! O vestibular não tem mais o que perguntar, já está manjado, é só prestar atenção e se preparar de verdade! Não entendeu o exemplo? Darei outro, eu odiava Física, passei a gostar quando tentei aprender, prestando atenção e tudo, mas alguns exercícios eu travava não por odiar Física, eu já havia aprendido a gostar, na verdade, já estava amando ela, mas vi que eu não conseguia finalizar porque tinha que aprender as relações de Seno e Cosseno, Cateto Oposto e Cateto Adjacente, Tangente CO/CA Sen/Cos, ângulos notáveis, Pitágoras e aprender a desenvolver essas coisas sozinho, sem tentar gravar fórmulas, assim o exercício pode me dar tudo de ponta cabeça, conseguirei chegar nas respostas e desvendarei o mistério, tudo isso pra dizer que quando você está amando a Física como eu estava, algo aparece para tentar “aparentemente” atrapalhar essa relação, a Matemática, mas ela não é ruim, só quer nos mostrar algo de forma exata, com uma visão mais técnica, tentando organizar tudo aquilo que a gente deduziu através do pensamento e do raciocínio, ela quer facilitar as coisas para nós, quando eu percebi isso, nada mais era o mesmo, passei a buscar sem auxílio de ninguém, só o da minha dificuldade, a aperfeiçoar minhas ferramentas matemáticas para progredir, e como eu progredi, aprendi a resolver os exercícios da minha forma, não da forma dos professores, e sempre entendia as resoluções deles!! Ajudei até pessoas que querem engenharia, fiquei pasmo, mas isso é você percebendo o mundo em que você vive, não temos como fugir dessas coisas, esse conhecimento se aperfeiçoou e ficou complexo assim porque o homem é um ser complexo, vem de evoluções, tem variabilidade, tem seleção natural, o homem é rascunho do seu conhecimento e o conhecimento faz parte de sua natureza. Não leve as coisas com dificuldade, nossa dificuldade está na forma como olhamos um obstáculo, é questão de perspectiva, mas também parte da nossa vontade, por isso aceite os desafios, conforme você for vencendo suas dificuldades, sentirá tanta cumplicidade, que irradiará amor aos que estão à sua volta, você será um exemplo, sem querer ser um exemplo! Superação é seu nome, então lute, se estiver sofrendo ainda é natural, mas você vai conseguir, o único obstáculo impossível de ser vencido é a morte, e este, todos nós pararemos diante dele, mas podemos deixar nosso melhor, deixar um legado, esse legado é a força de vontade que nos tornará Médicos! Contaminem o mundo de amor, contaminem-se de amor, o ceticismo sempre existirá e tentará trazer conflitos (Razão X Emoção), muitos existencialismos nos atormentarão, mas tudo o que construirmos com persistência, será eterno! Nada é mais impactante que a sua consciência, ela faz coisas inimagináveis, te trouxe até esse texto e te levará até a glória da Realização! Força Guerreiro e Guerreira, as batalhas foram perdidas, mas não a Guerra!!
Só tenho um pedido do fundo do meu coração, quando vocês realizarem esse sonho, lembrem-se, outros ficarão para trás, e estão tentando melhorar o mundo como você, ajude-os de alguma forma, dando um conselho, por exemplo, mas imploro, doem seus materiais de cursinho, ajudem quem não tem condições, essas pessoas têm um sonho, mas as injustiças sociais tentam erradicar os sonhos delas e torná-las servas do fracasso, para que suas futuras gerações também se tornem isso, pensem nisso! Doem todos os materiais que não forem usar, o que é seu ninguém tira, conhecimento, as apostilas ajudarão outras pessoas à produzirem conhecimento, você fará parte da história de outras pessoas! Espero que o texto tenha ajudado, desculpem algumas broncas, eu admito ser um pouco chato, sem hipérboles ou eufemismos, fora isso, torço pelo sucesso de todos que seguem a página, se ainda não seguem, cadastrem seus emails, na lateral da página tem um campo para isso! (risos) Abraços, ainda nos veremos nos Simpósios ou quem sabe faremos parte da mesma turma! Força Doutores!!