Meu cantinho de estudos

Fala galera! Tá chegando a hora de começar mais um ano de estudos! Sei que será árduo e bem puxado, mas, só de estar lutando mais esse ano pra realizar meu sonho maior, me sinto muito feliz! Poucos têm a oportunidade de escolher uma profissão e conseguir cursar para se tornar o profissional dos sonhos, no lugar de seus sonhos. Essa missão vai ter um final feliz, sei disso! Desejo muito sucesso à todos, e me digam abaixo… Como está o cantinho de vocês? 😘❤

Anúncios

Meu Cronograma de Estudos de 2019 para Passar em Medicina

Fala galera! Tudo bem? Resolvi gravar esse vídeo para mostrar como será meu planejamento definitivo esse ano. Começarei a estudar na segunda-feira dia 18/fev. Então, talvez demore um pouco para gravar os próximos vídeos. Mas, mandem sugestões!
Espero de coração que vocês tenham um ano maravilhoso e de muito foco, e espero ver muitos de vocês na Faculdade de Medicina! Vamos com foco que é o ultimato! 😘 ❤

RETA FINAL! O que fazer com o conteúdo atrasado e qual postura devo ter para não padecer?

vestibular-2
Eis que chegamos em Agosto, e agora é o momento crucial de ser estratégico. – Aos que pretendem passar esse ano – não adianta voltar tudo do zero e reiniciar os estudos metodicamente. Isso seria um erro que traria arrependimentos futuros, após reprovar. Então, como nosso foco é passar, preferi criar essa postagem pra compartilhar um pouco da minha experiência e quais foram meus comportamentos nos anos em que obtive resultados satisfatórios, e o que estou fazendo nesse ano, pra não ficar apenas no “quase”, pra efetivar meu ingresso na Medicina e não ter que lamentar o que não pude fazer. Então, chega de introdução. Vamos lá…

Matérias Atrasadas, o que fazer?

Pra quem está no cursinho…
O melhor é não se distanciar do assunto atual que o professor está trabalhando, isso só causaria mais desespero, pois além de sentir-se atrasado em relação a turma, você teria a tristeza de não entender nada do que o professor está passando. Consequência? Se sentiria um lixo, por estar atrasado e com dificuldades nos assuntos atuais e retrógrados – visto que o tempo nos faz esquecer detalhes cruciais.
O que fazer? Já disse. Não se mantenha distante. Continue praticando o método “Aula dada, Aula estudada”. E quando sobrar um tempinho, porque vai sobrar, volte nos assuntos que não conseguiu estudar. Só que de forma inteligente. Veja nos assuntos atrasados quais tem maior incidência no vestibular que você prestará, e quais você tem muita dificuldade. Priorize ambos. O que você não tem dificuldade, não há porque perder tempo. Liberte-se, cara! Avança!! O tempo está voando.. Pra algumas matérias, sinto lhe dizer que para que você tenha tempo extra pra tirar o atraso, você vai ter que priorizar também. Eu não disse pular, ignorar… Calma. Nas matérias e assuntos mais fáceis pra você, vá direto para os exercícios. Nem perca tempo fazendo resumo, lendo teoria.. Isso só vai te distanciar ainda mais. O negócio é você meter a cara nos exercícios. De preferência de nível médio à difícil. Não precisa pegar uma lista de cem exercícios. Só faça e quando sentir que já está superado o assunto, pule pra próxima lista! Agora é hora de ser eficiente. Se for possível, priorize listas das provas que você vai prestar, pra não tangenciar o domínio do seu vestibular. Seja rápido, mas não negligencie nada.

Pra quem está estudando sozinho…

Você tem tempo razoavelmente maior, mas, nem por isso deve se acomodar. Então, precisa fazer o mesmo. Nos assuntos atrasados, procure aulas de revisão ou resumos que deixem tudo mais objetivo e claro. E depois de uma analisada objetiva, vá para os exercícios e resolva o máximo possível, até se sentir seguro. Se você estuda por alguma plataforma online, pegue as vídeo aulas de revisão. Assista, e “senta bala” nos exercícios! Da mesma forma que no exemplo anterior, saiba priorizar os assuntos.
A ordem decrescente de prioridade é: assuntos recorrentes nas provas e que tenho dificuldade > assuntos que tenho dificuldade, mas que não caem tanto > assuntos que apenas atrasei, mas não tenho dificuldade. No último item (assuntos que não tenho dificuldade) vocês podem somente fazer os exercícios, no máximo, pra matar a insegurança, ver um resumo muito breve e partir pra resolução. No primeiro e no segundo item, os de maior prioridade, vocês já devem fazer um pouco diferente. Se o resumo e aulas de revisão em vídeo forem insuficientes, aprofundem coisas pontuais. Como assim? Coisas pontuais? Sim, vou dar um exemplo. Eu tenho muita facilidade em Dinâmica, mas, só dou uns vacilos em Plano Inclinado. Pronto! Já tem um assunto pontual pra dar uma atenção diferenciada. Então, trabalhe isso!

E as provas, já deveria ter feito ou devo dar ênfase nelas quando?

Então, já deveria ter pelo menos iniciado as provas. Mas, calma! Não é motivo pra se desesperar. O que recomendo é que você faça todos os simulados propostos pelo cursinho (se você faz cursinho), e não fique apenas nisso. Pegue provas antigas e já vá metendo a cara e vendo como está. Pra ver os pontos que precisa dar mais ênfase. Isso vai te ajudar muito no direcionamento de seu tempo remanescente nos tópicos mais relevantes! E pra quem estuda sozinho, pegue as provas antigas também. A frequência de provas depende da disponibilidade de vocês, mas, se possível, o mínimo que recomendo são pelo menos duas provas por semana. Pra recuperar o tempo perdido. Eu, por exemplo, estou fazendo quase todo dia prova, faço no meu serviço mesmo (madrugada). E das 6h30 às 12h durmo. Das 13h às 21h estudo, com intervalos, assuntos complementares e faço revisão do que fui mal nas provas… Seguindo a estratégia que lhes disse. Minha última prova da Fuvest fiz 70 acertos. Sei que é pouco ainda, mas meu problema nessa prova foi a desatenção, outra coisa que só se trabalha prova por prova. Mas, cresci. Comecei acertando 56 (minha pior prova do ano) e avancei, 62, 63, 65 e agora 70. Nessa última, quando corrigi fiquei um pouco decepcionado, porque poderia ter feito pelo menos 80 acertos. Perdi 10 questões que sabia resolver, mas, como estava cansado, desconcentrado, li superficialmente e respondi sem levar em consideração a densidade da questão. E acabei errando. Então é isso. Pense na evolução. Recomendo pra vocês uma coisa que fiz e que recomendei para alguns amigos. É difícil começar direto da Fuvest… Isso “machuca”, porque ela pega bem pesado, meio que “humilha” a gente.. rs Então, aumente o fluxo de provas, mas o gradue. Quando fiz 56 questões e quase chorei de ódio. Vi que não estava preparado pra pegar logo uma prova da densidade da Fuvest, sem ter aprofundado algumas coisas e logo depois que já estava uma estafa de cansado. Daí dei tempo, descansei e recuperei as forças após ter reprovado no vestibular, e esfriei a cabeça, pra me reconstruir gradativamente. E o que eu fiz salvou meu ano e está fazendo minha nota subir, num momento em que é normal apresentar algumas quedas por “n” fatores. Bom, chega de enrolar.. haushausha O que eu fiz? Simples, graduei, iniciei de provas mais “bobas” e aumentei o nível pouco a pouco. Mas, é o que falei. Se forem fazer isso nessa altura, vocês precisam aumentar o fluxo de provas.
Minha primeira prova foi a da Etec, pra vocês verem o nível de insegurança que eu estava. Depois de umas duas dela, fui pra Fatec, fiz mais umas duas. Depois fui para o Enem, e por último pra Unesp, Unicamp e Famerp (primeiro dia). Só depois disso que me arrisquei de novo na Fuvest. E quando fiz, fui para 62 pontos. Com o bônus que tenho já daria pra ir à segunda fase mesmo com 62 acertos. Então, 70 pontos é uma conquista grande pra mim, já que o corte da Fuvest ano passado foi 69. Mas, podia mais! Não me conformo quando erro o que sei. Quando isso acontecer, vocês precisam avaliar o que ocorreu. Eu analisei e vi que foi desatenção. Na minha próxima prova já a farei com muito mais seriedade, só vou parar de me concentrar quando “meus olhos sangrarem”, nas últimas questões.. uahsuahsuahsa
Então, em síntese é isso. Façam muitas provas de já! No mínimo, duas provas por semana. Sei que o “mínimo duas” assusta. Mas, não tem outro jeito. É a única forma de detectar o que vocês ainda estão pecando. De ter um tempo mais ágil, de ter um raciocínio e rendimento maior no tempo de prova. Sem ter grandes quedas. Se não sentirem-se seguros de pegar a prova de vocês de imediado, façam pelo menos duas ou três provas de um nível mais baixo, só pra dar aquele “start” e acordar, e depois, aumentem o nível. Até chegar na prova de vocês. Daí, já era! É só ir fazendo reparos nos assuntos que vocês estiverem errando. Outra coisa, corrijam cada prova como um complemento do aprendizado e uma revisão a parte, um alerta de que “esse assunto não posso mais errar” – essa frase é poderosa! Tem que pegar a resolução comentada nos sites de cursinho e ver porque erraram! E em outra que acertaram, mas que tiveram dúvida, também vejam a análise dos cursinhos. Isso ajuda demais, sério! Depois desse treino vocês conseguem até saber quais são os assuntos que não é preciso ficar bitolando.. Que se cair vocês vão, inevitavelmente, acertar! Daí, se dediquem nos outros, que estão errando. Acho que é só isso que tinha que falar das provas. O restante é só monitorar os resultados e acompanhar sua evolução. Depois disso, verão os pontos e a confiança subirem simultaneamente, num período em que normalmente, tudo isso vai despencando… Nessa altura muita gente está pensando no ano que vem.. “ano que vem me dedico mais”.. Isso é um pensamento comum pra quem não sabe se planejar. Então, sejam estratégicos! Nada de caírem nessa procrastinação involuntária que vai se transformando em voluntária. Ainda temos tempo de reverter os resultados! Ah… Antes que me esqueça! Quem for fazer provas que tenham segunda fase.. Entra no mesmo esquema. É por isso que vocês precisam ter um fluxo maior de provas. Pra atenderem as demandas, recuperarem o tempo e a confiança inicial que os fez optar por Medicina.

Considerações Finais

Bom, apesar de parecer uma correria geral, você precisa ter algum equilíbrio na sua vida, pra não sucumbir no desespero de fechar assuntos, fazer revisões, tirar atrasos, pensar nas provas, fazer provas.. Você precisa ter uma válvula de escape. No meu caso, faço exercícios físicos enquanto assisto “Os Simpsons” online, daí, economizo tempo, também entro no meu Facebook e voltei a postar no Instagram, ouço Chico Buarque e estou eufórico com o novo álbum, com a nova música que ele lançou e com a possibilidade de ir num Show dele pela primeira vez… Reduzi um pouco minha carga de estudos, até porque consegui cumprir meu calendário quase que completamente. Então, pra não perder tempo, já iniciei a revisão. Sei que algumas pessoas que leem meu Blog e que me têm no Facebook se espantam por ser relativamente presente lá. Mas, estou me permitindo isso. Pelo planejamento ter funcionado. E em todos os momentos que se fragilizou algo, antes que sucumbisse, eu mudei a estratégia pontual do que não estava dando certo. Quando você não tem coragem pra mudar o que está te afundando, sua vida cai em queda livre. Nenhuma “tração” poderá te salvar, se você não se ajudar e não pensar como um vestibulando moderno, que não é mais aquele antigo, que ficava bitolando, tentando decorar coisas em vez de compreender sua função e seu desenvolvimento, que só se permitia estudar e não ter vida social… Esse tipo de vestibulando tem uma maior tendência de sucumbir. Então, seja o vestibulando moderno. Seja flexível. Não tenha medo de mudar pontos de fracasso. Aceite novas ideias, e permita-se ser sociável. Porque, de que adianta a aprovação solitária? Sem ter ninguém pra comemorar com você, sem ter alguém pra te abraçar, pra chorar junto e pra dizer que você é um exemplo de superação? Não abandone as pessoas, não se abandone. Não seja o vestibulando obsoleto. Mantenha o foco, sem se mutilar! Esse ano não está perdido. Só perde o ano, quem desiste de mudar o que não está dando certo. Abraços! E sucessos. Qualquer coisa, só comentar abaixo que respondo! E se achou válido o que foi lido aqui, compartilhe com quem precisa ler isso. 

O planejamento que fiz no início do ano está dando certo? E a revisão? Fiz adaptações? Como andam os resultados?

Salve, caros! Aproveitei a folga dos estudos para trazer à lucidez algumas promessas que fiz no início do ano e dizer o que deu certo, o que precisei adaptar, e o meu atual saldo, se estou tendo bons resultados, se tive quedas e qual foi meu comportamento para contornar tudo isso; vamos lá…

Meu planejamento deu certo?

Bom, na maior parte sim. No início do ano nossa euforia é díspar das nossas limitações. Algumas coisas pensei que dariam extremamente certo, não deram, e precisei utilizar a experiência para contornar a frustração e não deixar meu ânimo decair, e, por conseguinte, não cair numa “bola de neve” de marasmo e falta de estímulo para estudar. O que deu errado? De forma objetiva, a distribuição de provas nos respectivos dias não surtiu o efeito esperado. E fiquei muito decepcionado na minha primeira prova, por ter ficado abaixo da meta. Só que após corrigir e refletir sobre o resultado, vi que estava desgastado. O resultado não era por falta de conhecimento, mas sim pelo excesso de cobrança, pela negação das minhas limitações, por não ter dado uma pausa adequada para descansar a mente. Então, decidi trabalhar alguns pontos, um deles foi ter colocado no calendário o começo mais tardio de algumas disciplinas, pra crescer gradualmente; poucos conteúdos iniciei em janeiro, e quando chegou em março, estava com quase todos os conteúdos encontrados. Alguns de vocês podem se perguntar: nossa! Você só pegou firme em todos os conteúdos em março? Como assim? E lhes respondo, sim! Porque vinha de uma ascendente muito grande e de um desgaste quase crônico, fora a frustração de ter reprovado… Então, minha conclusão foi que precisava repousar. Mas, sem abandonar tudo, porque isso me faria esquecer de alguns detalhes, e me daria insegurança em outros. Minha solução foi colocar duas matérias mais longas à partir de janeiro e em março, quase todas estavam lá. Depois complementei  em abril com as únicas que faltavam, que eram Artes e Filosofia. Essa estratégia foi para pegar ritmo gradativamente, para poder descansar bastante e não me cobrar tanto. Feito isso, em março já estava a todo vapor. Com a confiança renovada. Eis que fiz meu segundo (considero o primeiro) simulado, agora já mais descansado, no meu melhor estado. E vejam! Superei minha meta, e poderia – se não fosse a desatenção – ter acertado muito mais. E isso me animou demasiadamente. E foram entrando mais matérias. E as coisas começaram a fluir, porque respeitei meu corpo no momento certo e dei ar à minha mente. Essa atitude foi fundamental para estar no atual estado de espírito e ter adiantado muita coisa, para poder respirar, e ter tempo livre para aproveitar o melhor da finitude… 

Como estão as coisas? Já estamos em Julho…

Depois da notícia de sexta, em êxtase…
Agora tenho duas formas de entrar na Medicina da USP. Antes tinha um pouco de autocobrança para ir à segunda fase da Fuvest, não que não tenha hoje, mas tirei um peso de 1.10^99 newtons das costas. Agora tenho duas chances em um ano de entrar na FMUSP. Graças a adesão das 50 vagas ao ENEM, para incorporar o SISU. Isso foi a coisa mais maravilhosa que sempre sonhei que acontecesse e aconteceu. Agora ganhei um fôlego extra para condicionar o ENEM com o mesmo grau de importância que condiciono a Fuvest. Mas, falando do mês de julho. Estou muito contente. Quando canso, sei que não vou render, então, descanso bastante e depois retomo os estudos com uma disposição ímpar. E nesse ritmo consegui adiantar muita coisa, e acreditem… O conteúdo de Física fluiu tão bem esse ano, que só falta Ondulatória para finalizar. A previsão era fechar Física no máximo na primeira semana de outubro. E finalizei quase tudo em julho. E iniciarei ondulatória na segunda-feira. Antes que surja a indagação de como eu faço pra não esquecer os conteúdos e conseguir assimilar tudo tão rápido.. Eu estudo nos meus picos energéticos, nas maiores disposições, e isso só ocorre porque optei abdicar de fazer cursinho nesse ano. E desde então, consigo conciliar muito bem estudo e descanso, gerando equilíbrio e potencializando meu rendimento e desempenho. Isso é fabuloso. Mas, claro… Tem dia que durmo o dia todo, até a hora de ir pro serviço de madrugada (risos), lá estudo alguma coisa, e em casa estudo mais de 10 horas complementadas com as 5 horas do serviço – estudo lá – … Naturalmente.. Só flui… Não é um empecilho pra mim. É a minha forma de me autogerir, pelo autoconhecimento. E não é necessário que fiquem embasbacados com meu jeito de estudar, isso não afeta em nada minha saúde, porque descanso muito bem. É difícil entender as “extravagâncias” do outro, quando esse não é a gente… Mas, é assim que funciona para mim. Essa forma de estudar estranha, é o que traz equilíbrio pra mim (risos).

Revisão, como faço?

É, sei que ficou estranho o método de revisão da minha primeira planilha; quando você está em ano de vestibular, no clímax e anticlímax com as suas imperfeições, e quer fazer o que nosso organismo se esforça ao máximo para manter-nos saudáveis (homeostase), as mudanças são necessárias! Tanto é que um novo mantra que direciona meu pensamento e minhas ações é termo em latim que li no livro “Memórias Póstumas de Brás Cubas” do Machado, nos últimos capítulos, “Tempora mutantur” (os tempos mudam). Uma das poucas verdades absolutas e irrefutáveis, diz respeito às mudanças causadas pelo tempo. Os tempos realmente mudam. Você não é como era no dia anterior. Você matou seu “Eu” passado, e é um novo Ser. Somos seres em constante metamorfose. E até quando partirmos, nossa matéria se transformará. Então, quem sou eu pra ter medo ou pra evitar a mudança? Nada melhor que seguir aquela “voz interna” que diz:”você precisa fazer isso”, “se continuar fazendo dessa forma, chegará no final do ano sem ter atingido sua meta”. Então, o que mudei? Minhas revisões hoje não constam na planilha. Eu simplesmente faço um esforço pra adiantar a parte teórica com aplicações pontuais, pois, depois me sobra muito tempo pra fazer revisão toda semana. Darei um exemplo. Eu finalizei o conteúdo de Mecânica Clássica adiantado, era para finalizar em outubro, finalizei antes do início de julho. O que faço pra não esquecer e não perder a prática? Vamos lá: nas horas que estaria vendo um novo conteúdo – o que adiantei -, eu faço listas do que já estudei. De tudo! Faço uns três exercícios de cada conteúdo estudado, até o último visto. Todos nivelados, básico – revisão de conceitos -, médio – densidade teórica – e difícil – aprofundamento do conhecimento, ver até onde consigo chegar -. E faço isso sempre. Toda semana. Farei até o último dia de preparação para o vestibular. E se encontrar mais complementos para meus métodos, seguirei e testarei. Afinal… Tempora mutantur…

Eis um exemplo de revisão em exercícios de Inequação Polinomial do 2º Grau.
IMG_20170626_042356

Você tem conteúdos em atraso?

Seria mentira se dissesse que não. Alguns conteúdos me permito atrasar. Até porque sei que dará tempo de finalizá-los, ciente de que terei dias pra tirar o atraso. Esses conteúdos são os mais chatinhos, que estudo mais gradualmente, que não assimilo com tanta velocidade, e repito várias vezes pra cada vez ter mais solidez na assimilação. Um exemplo é a Gramática. Se querem outro… Alguns tópicos de Geografia. Como são coisas mais complicadas de interiorizar, é necessário permitir-se um contato mais ponderado desses assuntos. Não atrasei muita coisa. Só que acelero só assuntos mais fáceis destes. Não tem como ser um “robozinho”, fechar cada bloquinho com a certeza de que nunca vai errar mais aquilo… Se fosse assim, seria maravilhoso. Mas, não é.. rs Então, nos viramos com a nossa humanidade. 

E a planilha? Você registra os conteúdos que fez?

Sim. Registro todos. Essa parte não tem como não ser burocrático. É o meu rendimento que está registrado, e um filtro interessante pra saber o que preciso aprofundar, e qual a linha seguir sem se perder. Então, é relevante registrar as conclusões, pra saber com exatidão, quais os assuntos que farei listas de revisão. Uma coisa bem prática que utilizo fora dessa organização metódica, é quando tenho tempo livre e nada pra fazer, pra otimizar o tempo e matar o “tédio”, pensar em partes dos conteúdos de exatas que não me sinto tão seguro, e fazer exercícios daquilo. Sério… Não consigo ficar parado. Só paro de vez quando estou dormindo. Fazer exercícios é maravilhoso. Além de te dar segurança, te poupa muito tempo em revisões específicas. Pra tentar abarcar o máximo de conteúdos úteis e que a maioria das pessoas erram.. E que podem fazer diferença nos desempates! Você precisa se ver como alguém que sempre pode melhorar. Que nunca será completo, e sempre buscará o conhecimento que te falta. Isso não te permite a acomodação. E é um passo importante para o repertório necessário da vida universitária.

Exemplo da planilha de organização preenchida com as atividades que fiz, não tentem decifrar, pois é uma distribuição conforme as minhas necessidades, mas, por curiosidade, dou como exemplo 6 – Fís_1_1 (Dia 6 – Física Pasta 1 – Bloco 1). Daí, abarca os conteúdos que organizei de modo que ficasse mais proveitoso meu rendimento e minhas necessidades. 
asasasssssssssssssssssssssssss

Considerações Finais

Eu só desejo à todos muito sucesso na preparação. Muito obrigado pela mensagem, por toda a repercussão do Blog que está beirando o primeiro milhão de visitas. Vocês são o motivo de continuar com esse Projeto. Vocês que, assim como eu, acreditam no futuro, querem mudanças, querem sempre atingir o máximo de evolução como pessoa. Espero com meus sinceros desejos que consigam suas vagas. Porque é assim que a Medicina fará a diferença. Tendo consciência e preocupação com as pessoas, desde a vida como vestibulando. Sem egoísmo, mas, longe de ser o ser mais altruísta do mundo, só fazendo a nossa parte, sem querer prejudicar os outros. É possível passar e torcer para seu amigo passar, ajudando-o quando requisitado. Tenho amigos que prestam Medicina que estão comigo até hoje, mantenho o contato com todos. E torço pra alcançarmos a realização juntos, no mesmo lugar – de preferência -, porque são amizades que aconteceram num momento de autodescoberta.. E que agora fazem parte da minha vida. E torço por essas pessoas. Assim, como torço por vocês! Foco, força e caFÉ!