Evoluções e Involuções de um VDM na busca pela Medicina…

Olá, caros.
Alguns de vocês devem fazer esse balanço de quais foram seus aprendizados, quais mudanças vocês notaram no tempo em que estão focados em um sonho, qual saldo é possível conseguir de todo esse esforço? Eu fiz meu saldo, alguns podem achar cômico, ou regressão, mas é importante ressaltar que cada um tem um saldo particular, o meu acabou sendo positivo, apesar do tom sarcástico sobre minha própria evolução. Tive progressos de conduta e aprendizado de vida. Quem me tem no Facebook já deve ter lido esse texto, publiquei lá. Então, sem delongas… Vamos ao meu saldo… Ao final, quero muito ler o saldo de vocês… rs
Vamos lá…
large
Calculei meu saldo na busca pela Medicina: ganhei uns quilinhos (eufemismo), ganhei e perdi amigos com a mesma intensidade, perdi bruscamente o talento com as mulheres (risos). Sou tão desaparecido que todos perguntam: “cara, você anda sumido”, “nossa, você ainda existe”… (isso aconteceu novamente). Mas, apesar dos excessos de contras, tenho muitos prós, ganhei maturidade, aprendi a lidar com momentos difíceis, sei quais são meus limites e, principalmente, aprendi a ignorar os pseudo-críticos (internamente), sem ter que entrar em atrito e arrumar confusões desnecessárias que só me farão gastar energia. Energia é algo que tenho e gasto com a mesma intensidade, “não há dissipação” ou não deveria haver (risos). Princípio da conservação de Energia. Algo que amo em Física, pois facilita os cálculos, mas que desconfio de sua real aplicação…rs
Nesse momento percebo que mais um ano está próximo do fim, além disso, vários questionamentos começam a ressurgir: “você acha que vai bem?”, “esse ano vai!”, “se você não passar, ninguém passa…”, “esse ano é seu”… Esses acontecimentos se repetem e independem dos personagens, sempre existirão… Mas, em alguns momentos chega a ser cômico, ainda mais quando passo por tudo isso pelo quinto ano (quinta vez), já calejado, mas não menos atento… Sem mais delongas, só quis compartilhar um pouco da atmosfera e transformações de um vestibulando de medicina, suas evoluções psicológicas, involuções nas relações sociais (risos), e, principalmente, como o amadurecimento e algumas derrotas acabam com o medo de enfrentar os problemas para, finalmente, vivenciar tudo o que você idealizou e planejou. Esse pode ser o fim de acontecimentos monótonos, indagações repetidas; ou não. Mas, independente de qual for o desfecho dessa “velha história”, estou pronto e sem nenhuma preocupação de como será esse “fim”, já passei por bons bucados, novos desafios são sempre bem vindos.

E você, caro Leitor? Qual o seu saldo? Se quiser desabafar, lerei cada comentário.

MOTIVAÇÃO NUM MOMENTO CRUCIAL… [ DEPOIMENTO ]

Olá, caros.
Tive uns contratempos, mas estou de volta. Fui assaltado semana passada, ainda bem que levaram apenas meu Tablet, fiquei com muito medo de perder meus documentos tão próximo das provas, e o melhor de tudo? Estou vivo. Mas, voltando ao enfoque… Sem delongas, digo que separei um texto maravilhoso de uma Vestibulanda que passou em Medicina na USP pinheiros, ela sempre foi mediana, mas o diferencial dela foi estudar e ter inteligência emocional, controlar os estudos e aliá-los ao seu divertimento, viver… Nessa altura alguns de vocês estão bem nervosos, ansiosos, imaginando como serão as provas, se vocês vão bem, etc.
Não pensem “se isso”, “se aquilo”, “e se..”… Fiquem tranquilos, busquem relaxar e curtir esse momento com o máximo equilíbrio possível, vocês conseguiram chegar no fim desse ano (próximo das provas), poucos conseguem esse triunfo no que incerne-se, chegar consciente do que se quer. Esse é o chegar ao qual me refiro. Vocês provam isso, à partir do momento que buscam o controle, ou uma motivação pra chegarem firmes até o dia da prova. Então, caros. Leiam o texto e busquem senti-lo, assimilem cada palavra, porque? É possível conseguir!
Sem mais delongas… Vamos ao texto.

Depoimento de Rebeca Lopes – FMUSP

oie_971620sO6BW0U6

Primeiramente inicio com uma frase: É possível , porém exigirá de você um esforço a mais. Para mim particularmente estudar na FMUSP (Faculdade de Medicina da USP) parecia uma coisa utópica , reservado somente àqueles que popularmente denominamos “gênios”, porém não foi este o final do enredo da minha historia.

Estudei em um ótimo colégio de SP, porém não era a aluna nota 10, tinha boas notas mas nada digno de ser chamada de “gênio”. Observei alguns colegas terem enorme êxito no vestibular da FUVEST e entrarem na Pinheiros direto do terceiro, não foi meu caso .

Ingressei num cursinho de excelência e lá iniciei minha “batalha” para ser um dos 175 nomes para a Medicina USP.

Estudei por 3 anos e nunca abri mão de minha vida social e diversão. Confesso que o período que passei no cursinho foi muito agradável e divertido mas também tiveram momentos de desanimo e até desespero, lá fiz amizades que levo até hoje e considero essenciais na minha vitória.

Além da receita básica: estudos + disciplina, recomendo a todos vocês futuros colegas de profissão, uma dose de diversão, de prazer, de tirar aquela tarde de estudos para ir ao cinema com os amigos. Ter um equilíbrio psicológico conta as vezes muito mais do que um conhecimento “extraterrestre” da matéria.

Aqueles que passam podem ter certeza que não sabiam tudo, mas tiveram a calma de manejar seu tempo de prova e com certeza colocaram no papel o máximo do que sabiam.

FMUSP

Depois de 3 suados anos de cursinho, obtive aprovação em grandes faculdades de Medicina: USP, UNIFESP, PUC CAMPINAS e PARANA , UFMG e UNESP.

Pois é, a aluna nota 7 do colégio, entrava na categoria de “gênio”. Desmistifico isso agora mesmo! Meus colegas de faculdade são pessoas normais como todos vocês, eles diferem por terem dado todo o gás naquilo que eles acreditavam ser seu sonho, por levaram a serio os estudos e por terem tido inteligência emocional.

O curso exigirá muito sim de vocês, mas nada tão pesado como a fase pré-vestibular. A profissão exigirá de vocês paixão ,mas lhe retornará todo esse amor ao sentirem-se “fazendo a diferença ” no mundo. Cada noite mal dormida, cada jornada de estudo maçante, cada batalha de vestibulares feito não será nada perto do prazer de ver seu nome na lista de Convocados.

A faculdade de Medicina é um universo novo que vocês participarão . Os jogos universitários , os amigos e futuros colegas de profissão, as festas e aquele 10 naquela matéria foda entrarão na memoria de vocês como os melhores momentos da vida !

6 anos do curso passam muito rápido, mas as memorias levadas consigo serão eternas .

Força guerreiros e nunca se esqueçam que assim como eu, as faculdades de Medicina do Brasil estão cheios de alunos nota 7 que acreditaram em seus sonhos, foram além e se transformaram em ESTUDANTES DE MEDICINA!

Um grande abraço a todos futuros colegas.

Ótimo vídeo ,que serve de consolo em todos os momentos de desespero pré provas.

http://www.youtube.com/watch?v=no15Bt7jNQM

Rebeca Lopes Granja, aluna da Faculdade de Medicina da USP – FMUSP

FONTE:
http://projetomedicina.com.br/portal/depoimentos/depoimento-de-rebeca-lopes-fmusp/

DEPOIMENTO DE APROVADO EM MEDICINA – FURG – A LISTA RODOU PARA ELE, CONFIE !

Olá caros, não sou tão criativo com títulos, mas deixemos isso de lado! Tenho algo importante para os Vestibulandos de Medicina que estão tristes com o desempenho no ENEM, e estão perdendo as esperanças com sua classificação!
Exemplo cruel e real: 70º de 3 vagas […]
Bom caros, nesse depoimento já havia uma “quase certeza” de que a lista rodaria, a situação era mais agradável, porém, isso serve de motivação à vocês.
Vi vários exemplos de listas que rodaram muito de várias Federais, até mesmo pessoas com notas “impossíveis” para Medicina conseguiram passar, pois a lista rodou e muito, mas a insistência destes se sobressaiu!
Quem tiver alguma desconfiança no que eu disse, por favor: veja a 4ª lista de classificados em Medicina na UFAM (Universidade Federal do Amazonas), deixarei o link aos desconfiados. Aprovados com notas menores que 600, eu achei improvável, mas calei-me diante dos fatos! Vejam o Link:
4ª LISTA DE ESPERA APROVADOS UFAM 2014.
Tirem a prova com os próprios olhos, acreditem, tudo é possível! Não desanimem e participem de todas as listas de espera que surgirem, espero que a lista de todos vocês rode!

Sem mais delongas, vamos ao DEPOIMENTO!
Ele foi buscado no Blog “Estação Vestibular – Próxima Parada: MEDICINA”, sem nenhuma alteração; no final disponibilizo o link…

Papo de Aprovado 10#

Oiiiiiiii Pessoal! Domingo é o meu dia! E venho com mais um papo de aprovado =D  E o nosso papo de aprovado de hoje é com o Filipe! =D Espero que gostemm!

Beijosss~*

Quem é o Filipe?

Filipe Oliveira da Silva, 19 anos, 1,85m, magro, de São José do Rio Preto-SP, cursando medicina agora na FURG(Univ. Fed. do Rio Grande-RS). Amigo, esforçado, inquieto, tranquilo, sonhador.
Porque você escolheu Medicina?

Quando eu ia no pediatra eu achava ótimo aquele local de trabalho dele. Ok, ele sempre dava algum gibi ou doce no fim da consulta, e eu achava isso muito massa, falava que ia trabalhar lá. Hahaha, mas cresci comecei pensar em dois cursos: Publicidade e Direito(Sempre fui bem comunicativo, e achava que tinha que trabalhar com algo que eu falasse bastante). Chegou o terceiro colegial eu descartei Publicidade e resolvi prestar direito, mas só queria Largo do São Francisco, não pensava em outra faculdade. Pois bem, estudei pra caramba e não passei. Entrei pro cursinho pensando: Poxa, mais um ano puxado desse, e acho que direito não é bem o que eu quero. Logo me veio Medicina na cabeça, mas em um primeiro momento como uma coisa bem distante ainda, veio na cabeça pelo desafio eu acho. Eu sempre me cobrei muito, sempre me desafiei muito, e acho que quis começar outro desafio. Pois bem, entrei no cursinho firme que queria medicina, e o que era “só um desafio” pra mim, passou a ser algo sério, e comecei a entender o pq da medicina.

Falei tudo isso, mas acho que agora que respondo a pergunta, que só no cursinho eu fui saber responder: Medicina pra estudar a coisa que eu acho a mais fascinante: O ser-humano. Era encantador pensar na possibilidade de entender melhor o funcionamento do corpo, poder ajudar, poder ter uma profissão que eu me orgulhasse.

Quanto tempo de cursinho, e o que ele acrescentou à sua vida?

Fiz 1 ano de cursinho. Acho que tudo que vou falar é bem clichê, mas é o que aconteceu comigo e deve estar acontecendo com todos vcs vestibulandos. No cursinho eu  potencializei minha capacidade de ser paciente, de acreditar mais em mim, de traçar objetivos diários, semanais, mensais e cumpri-los. Passei a ter mais fé, a entender melhor sobre prioridades, a dar mais valor no apoio de amigos/familiares verdadeiros, a deixar o inútil, o fútil de lado e só olhar pro que importava no momento: passar no vestibular.
Acho que tudo isso são coisas que vou lembrar pro resto da minha vida acadêmica e profissional. Com certeza todo esse aprendizado não foi em vão.

Como você dividia seu tempo de estudo?

Eu era muito organizado, fiz um cronograma e segui rigorosamente!(sinto falta disso, nesse primeiro semestre de faculdade não consegui seguir a organização que eu tinha, haahah). Em vez de falar só do tempo de estudo vou relembrar minha rotina aqui, que de segunda a sexta era: Cursinho das 7 as 12:35, no intervalo eu lia jornal. Não morava tão longe do cursinho, e coincidia de ir pra casa almocar com meu pai. Então até umas 13h eu já tinha almoçado. Dormia das 13 as 13:30 (isso fazia toda diferença pra mim). 14h eu já estava no cursinho de novo, na sala de estudo. Lia toda teoria e fazia os exercícios mais importantes. Voltava pra casa entre 19-21h e fazia os exercícios que faltava a noite, e se desse tempo lia algo pra redação. De sábado minha aula tbm era das 7 as 12:35, mas eu não conseguia estudar muito bem a tarde, geralmente dormia até umas 15h e estudava até umas 19h. Sabado a noite eu descansava. Domingo cedo fazia redação, e a tarde exercícios que não deu tempo de fazer durante a semana.

Eu dei muita atenção pra redação e pra exatas. Treinei muuita redação, algumas durante a semana também, alcancei a nota que eu sonhava em todas redações, mas exatas me derrubou em todas de SP. Minha dica principal é: TREINEM MUITO REDAÇÃO, leem muito, leem jornal, revista, se atualizem.

Quais eram suas maiores dificuldades?

Tudo que envolvia física!! (hoje na faculdade ainda sofro com biofísica, mesmo não tendo muito a ver com a física do ensino médio, acho que só o nome já me amedrontou, haahah)
Qual era sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?

Eu sempre tive muita fé e passei a me apegar mais a Deus, e acreditar que ele poderia me dar mais força, pra aguentar mais um dia. Além de olhar Orkut de ex-vdms, vídeos da faculdade, VIDEOS DO INTERMED! HAHAHAH(Intermed sul foi mês passado, ainda estou naquele clima, valeu a pena estudar! hahaha).

A outra inspiração é o pensamento que eu levei durante o ano(na ultima pergunta)

Como foi ser aprovado?

Amo contar isso, posso me empolgar nessa resposta? huasehauhuaha

Fim de janeiro, não tinha passado em nenhuma de São Paulo, eu estava muito decepcionado, mas já conformado. Pois bem, lá fui fazer minha matricula no anglo. Um dia antes de começar as aulas, eu entro no site da faculdade que estou hoje(FURG) e vejo meu nome numa lista de espera. Não entendi muito bem, comecei a ler e vi que teria uma “chamada oral” naquela mesma semana, e que eu deveria ir laa pro RS, perto do Uruguai (Meu Deus, tenho chances, mas tenho que ir até la, e agora?) Falei pro meu pai, ele foi resolvendo tudo. Fui no cursinho no outro dia, peguei aquele monte de livros, mas só pensando se iria la declarar interesse. Voltei pra casa, e peguei o voo na manha seguinte. Cheguei no RS, eu era o 14 da lista de espera. A LISTA RODOU ATÉ O 13. Meu Deuss, como assim, por uma pessoa eu não começo minha tão sonhada faculdade semana que vem? Maaaas, descobri la mesmo, que uma pessoa tinha passado na cidade dela, e estava deixando a vaga. Comecei a fazer a conta(muito difícil por sinal): Sou o primeiro da próxima lista. Já tem uma vaga garantida pra próxima chamada. MEU DEUS, EU PASSEI? Ainda não ¬¬ , não dava pra acreditar! com certeza algo daria errado! Tava muito bom pra ser verdade: O curso que sonhei o ano inteiro, no sul, no litoral… não, com certeza algo daria errado. Voltei pra casa, comecei acompanhar a comunidade do pessoal de lá, desisti de ir no cursinho, via fotos, todo mundo estava la, minha vaga estava la, mas eu não podia ir enquanto não saísse o oficial. Liguei naquela faculdade todo dia, e eles não falavam o dia que sairia o resultado. 1 semana e nada, 2 semanas e nada, 3 semanas atualizando aquele site a todo minuto e naaada. Até que numa terça-feira a tarde eu atualizo o site e vejo que saiu a próxima lista. Não tinha ninguém em casa, parei, olhei pra noticia e nao acreditava que realmente teve essa outra lista(eu já achava que não teria mais). Abro a lista. Ctrl F, medicina. MEU NOOOME ali em cima já?! Não tem como explicar esse minuto, por mais que “eu já sabia” que a lista rodaria e tal, foi algo indescritível, e ai foi tudo muito rápido, na mesma tarde já teve meu trote aqui, cheguei em casa meus pais fizeram uma surpresa: uma carta e  um esteto, saímos pra jantar e de madrugada já peguei o voo pra esse sonho chamado medicina!
Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?

Bom, como eu sempre fui de SP, mudar pro RS foi algo bem diferente, mas muito proveitoso, a rotina de morar longe de casa está me fazendo crescer bastante.

Por mais que o curso seja integral, a rotina é bem variada. Desde um dia em que eu quase não tenho aulas (terça) até um dia que tenho aula das 7:45 as 21h (quarta). Toda sexta de manhã somos divididos nas UBS da cidade e acompanhamos os médicos lá. Acompanhamos uma gravida durante o ano(a que eu acompanho vai ter o bebe agora em agosto, estou ansioso pra ver o primeiro parto)

Fora o tempo na faculdade eu tento ir pro anatômico estudar pra prova pratica, tentei começar ir pra academia mas não consegui, ahahah, entrei no basquete da faculdade 😀, treinamos todas terças; alguns fins de semanas eu saio, outros não.

Entrei na liga do trauma, mensalmente tem um plantão de madrugada, em que acompanhamos o PS. É uma das partes que mais gosto.


Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?

Só tive um semestre, então até agora a faculdade é bem o que eu esperava. Com suas qualidades e defeitos.
Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.

Algo que eu pensei desde o começo do cursinho, acho importante conseguir pensar assim:

Você vai ser médico! Tudo tem um tempo, basta você não desistir e continuar acreditando, se você lutar e não desistir, não tem outra saída, você vai ser médico!

Então a cada momento de desanimo, lembre-se que sua rotina de médico já começou, não começa só na faculdade. Começa agora, com você tendo forças pra lutar e aprender pra passar no vestibular, começa agora com você indo pro cursinho feliz pela sua carreira já ter começado. Não adianta se lamentar, você escolheu o curso mais difícil, então animo e força, no segundo semestre esse pensamento de “Minha carreira já começou aqui, estou feliz por estar no caminho certo” faz a diferença.

Parabens pela força doutores, vejo vocês pelos hospitais, congressos da vida. E quem for vir pro sul, até o intermed 2012 😉

FONTE:
https://estacaovestibular.wordpress.com/2011/07/24/papo-de-aprovado-10/

 

DEPOIMENTO DE UMA APROVADA – ACREDITE!

imagesCAZRFWBU

Eu gosto muito de ler depoimentos que considero verdadeiros, – mas calma -, todos os depoimentos são válidos, porém, alguns são superficiais, outros são tão reais e profundos que chegam a influenciar nosso estado de espírito, dão mais “força motriz”, o que todo Vestibulando de Medicina precisa para erguer a cabeça e motivar-se, seja para prestar o Vestibular, ou para “juntar os cacos” e enfrentar mais um duro ano, isso é muito importante para nós, ver exemplos de quem enfrentou tantas dificuldades e conseguiu vencer! O depoimento que trouxe é do Blog, infelizmente, inativo, não vi novas postagens, uma página que marcou minha vida, denominada “Estação Vestibular – Próxima parada: Medicina”, acredito que os membros tenham alcançado seus objetivos, deixarei no final da postagem o Link do Blog.
Vamos à postagem então…

PAPO DE APROVADO #9

Oie genteeeeeee!!!

Andei sumida…contratempos!!!

Mas,  finalmente postarei a entrevista com uma coleguinha muito especial. Ela prefere não se identificar, eu respeito isso, espero que todos façam o mesmo, 🙂

1 Quem é a “a_medicina”?

Uma estudante de medicina que tem a enorme vontade de compartilhar o dia-a-dia dessa profissão “maluca e feliz”, que faz a gente reclamar tantas vezes, mas não se imagina longe dela. Que acredita em DEUS e sonha com o dia em que as pessoas irão se importar apenas com o que é mais relevante, e que deseja fazer diferença com a sua vida.

2 Por que você optou pelo anonimato na internet?

Porque eu penso que o que mais importa não sou eu, mas o que acontece comigo. Quando criei esse perfil, tinha a intenção de compartilhar informações e histórias que também eram do meu interesse; ou seja, informações que eu gostaria de receber de pessoas que também vivenciam este curso. Acredito que muitas das situações poderiam ser enfrentadas de forma menos, digamos, embaraçosa se alguém tivesse me dito que iriam acontecer; mesmo que fosse inevitável passar por elas, mas pelo menos eu saberia que alguém se importaria comigo.

3 Porque você escolheu Medicina?

Na verdade, eu não escolhi; fui escolhida para ela. Por mais piegas que possa soar, para quem não acredita, eu nasci para ser médica. Acredito que DEUS, quando eu estava sendo gerada na barriga da minha mãe, plantou esse sonho no meu coração, como parte fundamental da minha existência por aqui. Desde sempre eu quis isso e não sei realmente o motivo; até porque não existem médicos na minha família, serei a primeira. Só lembro que eu queria e era algo muito forte, pois não me imaginava fazendo uma coisa diferente.

4 Como você dividia seu tempo de estudo antes de passar?

Eu passei muito tempo tentando, então eu tive várias fases de estudos: do desespero de passar 12 h por dia estudando em casa, até o de fazer inúmeros cursinhos ao mesmo tempo. Mas vou falar da minha experiência no ano em que passei, que é o que interessa, suponho…

Bom, eu entrei para um grupo de estudos no estilo PBL, estudávamos 8h por dia, 1 matéria por hora, intercalando matérias de leitura com matérias de cálculos. Tínhamos um cronograma anual a ser cumprido, que era a nossa programação, e englobava todos os assuntos dos principais vestibulares do estado. Eu NÃO ESTUDAVA no fim-de-semana, nem à noite… Por mais incrível que possa parecer, no ano que eu supostamente menos estudei, foi o ano em que passei! Porque o que faltava era organização. Todo mês fazíamos simulados, que eram discutidos em grupo. Por fora, fiz apenas um curso de português, para treinar redação e estudar gramática e literatura.

5 Quais foram suas maiores dificuldades?

A minha maior dificuldade era acreditar em mim mesma. Eu pensava que podia, mas não acreditava realmente nisso, eu não confiava no potencial que tinha. Mas eu tinha fé que um dia ia acontecer e isso soava meio contraditório… Tudo tem um tempo, mas para as coisas acontecerem no tempo certo, não basta a gente acreditar que DEUS irá fazer, a gente tem que acreditar que Ele nos deu capacidade para isso.

Também era ruim quando as pessoas “de fora” diziam para desistir, para fazer um curso que exigisse uma média menor. Se eu gostasse, realmente faria, mas eu não iria ser feliz. Eu queria medicina e pronto; cabou-se! A tristeza vinha, mas passava, quando eu pensava que eu não seria feliz fazendo outra coisa.

6 Qual ou Quem foi sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?

Deus sempre foi o motivo maior da minha persistência. Ele é o autor da minha vida, se não fosse Ele, não teria conseguido aguentar por tanto tempo. Além de me dar força, de me segurar nos braços quando eu precisava (e ainda hoje, quando preciso), Ele me deu o privilégio de ter uma família que sempre me apoiou. Ela foi mais uma prova da fidelidade de DEUS, da certeza que eu não estava só, de jeito algum. Eles choraram comigo e também vibraram comigo. Dizem que eu sou o orgulho deles, mas eu que me orgulho de pertencer a eles. São os anjinhos do Senhor na minha vida.

7 Quantas vezes você tentou vestibular para medicina?

Ok! Essa parte é muito séria… Acredite quem quiser, mas eu tentei SETE vezes. E não foram sete vestibulares em 03 anos, não; foram sete ANOS de tentativas. Orgulho-me disso, mas como já disse, nunca estive só e não fiz nada disso apenas por mim mesma.

O número sete, na Bíblia, significa perfeição e, para mim, realmente o foi. Foram sete anos de luta, de choro, sim, mas de muitas alegrias também. Foi um preparo para receber o melhor de DEUS na minha vida e, apesar de ser extremamente contra as circunstâncias, eu fui feliz nesse tempo. Muitos dos meus grandes amigos eu conheci no cursinho e pude ter experiências maravilhosas com DEUS durante esse tempo. Meus limites foram testados, amadureci e meus sonhos também amadureceram. Aprendi muito e hoje eu digo com plena conviccção que, se tivesse entrado antes, não seria a médica excelente que serei, quando sair da universidade.

Com isso não digo que nunca fiquei triste, vamos com calma; eu tinha momentos de tristeza, sim, como uma pessoa normal, só que eu não era infeliz. Isso porque eu tinha plena certeza de que era apenas passageiro e, se eu tivesse que passar por isso para conseguir meu objetivo, iria passar de cabeça erguida. Lembro-me que quando recebia um resultado negativo chorava “o que tinha que chorar”, levantava a cabeça e já estava pronta para fazer tudo de novo.

Graças a DEUS passei em duas Universidades Federais, com isso ainda tive a oportunidade de escolher onde iria ficar. Foi tudo preparado para esse tempo ser o melhor tempo. A minha hora foi a melhor hora; o melhor de DEUS para a minha vida.

8 Como foi ser aprovado?

Foi surreal! Engraçado é que já imaginava que seria aprovada numa das universidades, porque eu fui classificada dentro das vagas; mas mesmo assim, bate aquele “medinho”, aquele frio na barriga de tanta ansiedade… Na outra, eu estava fora das vagas e consegui entrar no primeiro semestre.

Primeiro saiu o resultado da prova em que eu não estava classificada; quando vi meu nome naquela lista eu só fazia gritar. Eu nem chorei na hora, só queria rir. Só fui chorar no outro dia… Estava feliz, pois já tinha passado! Não só eu, como os meus colegas de turma. Foi uma farra boa: cortamos os cabelos dos meninos, fomos pintados de batom e jogamos “guitarr Hero”, para comemorar. Não teve bebidas, estávamos todos sóbrios!!! Engraçado foi que eu sempre sonhava, na véspera dos resultados, com o oposto. Sonhava que não ia ser classificada, e fui; que não ia pasar, e passei!!\o/

Mas, eu ainda tinha a vontade de passar na outra Universidade, que era a do meu imaginário. Daí, mais uma vez o resultado foi a aprovação e a alegria foi indescritível, como da primeira vez. E os meus colegas de turma passaram também e foi MUITO FELIZ!! Dessa vez, uma semana depois, de madrugada, quando eu percebi o que DEUS tinha feito na minha vida, comecei a chorar, na varanda de casa, lembrando de tudo o que tinha acontecido. E agradeci.

9 Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?

Não e sim. Eu já sabia da rotina pesada de estudos, já tinha ideia da dedicação que o curso exige e, pelo número de nãos que levei no processo, já estava “acostumada” a estudar, estudar, estudar e não obter o resultado compatível com esse esforço.

Mas, ainda assim, a gente se surpreende com o nível de estresse em que as pessoas vivem, com o descaso de alguns professores e passa a perder um pouco da visão romântica que tem do curso: a gente não vai curar todas as doenças, não vai conseguir tratar todos os pacientes (até porque muitos não tem a menor vontade de serem tratados, acreditem!), muito menos gostar de todas as cadeiras.

10 Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?

O curso é integral, como todo mundo sabe; mas eu não deixo de “viver” por conta dele. Tenho minhas obrigações acadêmicas, faço atividades extracurriculares; mas também frequento a academia e participo de atividades na igreja. Ainda tenho dificuldades de estudar nos fins-de-semana…kkk… Mas, quando tem prova, eu me esforço e acontece!!

11 E as dificuldades financeiras, existem? Como você faz pra driblar caso haja?

As dificuldades não são tão grandes, porque a universidade é pública. Mas ainda tem alimentação, transporte e muitas cópias. Economizo o quanto posso e participo de atividades acadêmicas com bolsa, o que ajuda bastante. Como o curso é integral, não dá para trabalhar por fora…

12 A Universidade que você é realmente tudo o que você sonhou?

Digamos que falta uma coisa aqui e outra acolá, mas eu vi que não é um problema isolado. Todas as Universidades têm um quê de desorganização e a gente tem que aprender a lidar com isso. Quem faz o curso é o aluno, a instituição abre as portas para que sejamos auto-didatas e aprendamos a pensar por nós mesmos.

13 Se você pudesse mudar alguma coisa na sua vida de estudante, o que mudaria?

Estudaria mais nos fins-de-semana…kkk… E tentaria cumprir as metas que estabeleço no início do semestre. A medida em que as semanas vão passando, eu me desorganizo e acabo não estudando como acho que deveria (leia-se aqui: algumas provas estudadas de última hora…).

14 Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.

Se de tudo o que foi falado aqui ficar na mente e no coração de vocês que vale a pena correr atrás dos sonhos e que Deus precisa ser o alicerce deles, eu já me dou por satisfeita. Há obstáculos no caminho? Ok! São a força-motriz necessária para seguir em frente.

Independente do que acontecer durante o processo de construção do seu sonho, tenha o desejo forte nos eu coração e saiba o que você quer; pois, quando a gente tem certeza, a gente sabe onde vai chegar, independente do tempo que se leva.

Imagine-se vencendo! Feche os olhos e, quando necessário, deixe as lágrimas escorrerem no seu rosto, porque os vencedores também choram e é de alegria! Pense em como vai ser o dia em que o seu nome estará naquela lista, no que você vai falar, quem vai estar ao seu lado, a quem irá agradecer…

Permita-se sentir a grandeza da vitória no seu coração, para que ela se transforme em realidade, desde o seu acordar hoje, até o dia de fazer a prova e depois, quando no resultado. Mas que isso não seja só no vestibular, que se estenda a todos os seus projetos futuros e conquistas.

Ame as pessoas! Ame a DEUS em primeiro lugar e, fazendo isso, obedeça quando Ele diz para amarmos o nosso próximo como a nós mesmos. Caminhar sozinho é muito triste, e mais cansativo. Ser médico é gostar de pessoas, não apenas ter um diploma da faculdade na parede do consultório. Às vezes elas se vão das nossas vidas e é quando nos damos conta de que não nos demos tempo suficiente para gostar ainda mais delas, e dá saudade daquilo que poderíamos ter vivido…

Por isso:

“ Meus filhinhos, o nosso amor não deve ser somente de palavras e de conversa. Deve ser um amor verdadeiro, que se mostra por meio de ações.” ( Gálatas 6:10; NLT)

Sabendo que o papel do médico é: Curar algumas vezes, aliviar quase sempre, consolar sempre” (Hipócrates)

FONTE: https://estacaovestibular.wordpress.com/category/papo-de-aprovado/
___________________________________________________

Bom pessoal, agora é o Alexandre (risos), espero que tenham gostado da entrevista, foi muito comovente para mim, já que esse é meu 4º ano de tentativa e eu já tive resultados ruins, mas é isso, continuem sempre buscando o melhor, superem-se, não deixem a “peteca” cair, sempre agradeçam pelo que conseguiram fazer de diferente e, sobretudo, trabalhem imensamente os erros, eles estão escancarados nas provas que vocês prestaram! Força Doutores, vamos chegar no nosso objetivo! Perseverança!

Como a Medicina apareceu em minha vida…

Bom, aos que não me conhecem não utilizarei anonimato.
Meu nome é Alexandre Alves Porfirio Vieira, tenho 22 anos, nascido em Santo André-SP, onde desde 2011 me tornei Vestibulando de Medicina. Na realidade eu sempre soube que queria ser médico, mas o medo de enfrentar meu maior inimigo afrontava qualquer resquício de insistência e, sobretudo, resistência. O grande inimigo ao qual me refiro, era eu mesmo.
Em meados de 2011, eu decidi que faria o curso Técnico de Enfermagem, queria ter contato com os pacientes e ter, talvez, a certeza de que era meu sonho ser médico, me testei. Na verdade, essa tentativa foi um pouco frustrante, não pela área, era maravilhosa, adorava ter contato com os pacientes, conversar com eles, saber um pouco da história de cada um deles. O que me frustrou na época é que tudo o que eu ia fazer era limitado, me questionavam por querer conversar com os pacientes, querer saber sobre a história e o que teria o levado aquela passagem no hospital. Essa insatisfação de “limitação”, por não poder me aprofundar em nada, até quando eu me aprofundava para os seminários, – por algumas pessoas -, eu era taxado de “imbecil”, ou até mesmo desumilde, pois eu gostava de perfeição, tudo tinha que ser bem aprofundado e eu sempre tinha que dar meu melhor, mesmo que “algumas pessoas” não quisessem se esforçar e não tivessem nenhuma perspectiva de melhorar como seres humanos.
Depois que concluí o “Técnico em Auxiliar de Enfermagem”, como está descrito em minha certificação, que durou 12 meses, eu deveria fazer uma espécie de especialização, ou complementação, que eram os oito meses de Técnico, estranho, o Técnico do Técnico, mas isso não vem ao caso. Então eu comecei o técnico, mas em fevereiro de 2012, numa página do Facebook, eu estava lendo e vendo as dificuldades de muitas pessoas, as renúncias, coisas realmente inimagináveis, pessoas que abandonaram tudo para buscar Medicina, exemplos de quem fez isso e hoje é feliz pela escolha, pois a aprovação foi o maior presente pela renúncia.
Depois disso vi que realmente eu deveria ser radical, demonstrar meu amor pela Medicina, abrir mão de tudo e buscá-la; foi então que eu saí antes de concluir o Técnico e fui muito afrontado pelos meus familiares, foi difícil, fui taxado de louco, maluco, diziam que eu estava com o futuro feito, pois era muito elogiado pelo meu esforço, eu era bom no que fazia.
O que não comentei foi sobre os Vestibulares, eu comecei a prestar em 2011, tive meu primeiro ENEM, concluí os estudos em 2009, mas só em 2011 tive minha primeira experiência em Vestibulares, alguns não consideram o ENEM Vestibular, mas eu considero! Fui péssimo, eu era um dos melhores alunos da minha turma, muito bom mesmo, era elogiado pelos meus Professores, mas não estava pronto, a prova mostrou isso!
Em 2012 fiz a prova e fui bem, mas não suficientemente para Medicina, em 2013 pela primeira vez prestei outras provas: ENEM, FUVEST, UNIFESP e UNICAMP. Fui razoavelmente bem na Unicamp, Unifesp e Fuvest, mas não no ENEM.
Hoje estou fazendo meu primeiro ano pra valer de cursinho, cheguei a fazer um ruim que chamarei de “x” pra não comprometer a imagem deste, fiz ele em 2011 ou 2010, não me recordo, uns 5 meses apenas, sem comprometimento, sem me dedicar, mesmo dizendo que prestaria Medicina, meus amigos não entendiam o fato de eu dizer que prestaria Medicina, afinal, eu era extremamente descomprometido, e não sabia fazer os exercícios da apostila, quase nunca os fazia.
Hoje faço cursinho, gosto muito, não é objetivo fazer “marketing”, mas este eu irei dizer, faço Objetivo.
Realmente, tive uma monstruosa transformação, aprendi coisas que nunca vi nem na escola, estudei em escola Pública minha vida inteira, e vejo que minha base pelo menos no que sempre me arruinou, Matemática, era infinitamente péssima, e Física? Cheguei a zerar em algumas provas.
Hoje estou mais confiante pois aprendi muito com meus erros, melhorei meu desempenho, gosto de Física, de Matemática, e das outras nem se fala, principalmente Biologia. Fiz grandes amigos, dos quais, sempre me lembrarei e minha meta com a criação do “Diário do Vestibulando de Medicina” é ter uma rede para desabafar, aconselhar, compartilhar experiências, não com muitas pessoas, mas com as poucas que se dedicam, lutam, se desanimam, mas continuam caminhando.
Espero que em breve minha aprovação aconteça, estou mais consciente de que ela está próxima, e até agradeço por ter levado tanto tempo para me enfrentar e buscar a Medicina tão convictamente, pois sei que daqui para frente, quando for aprovado e me formar, exercerei a Medicina com muito amor, não apenas por ela, mas por amor às pessoas que merecem bons profissionais, que merecem ter carinho e ter o sofrimento aliviado, que merecem profissionais humanos e que olham nos olhos, dão risada, sofrem, são empáticos, simpáticos e carismáticos. Realmente hoje, tenho humanidade, o sofrimento que passo para alcançar esse sonho faz com que eu ame a vida, cada aprendizado, cada não que ficou no passado, fizeram-me aprender a viver e a amar cada vez mais a Medicina.
Em breve comemorarei muito minha aprovação, nem sei qual será minha reação, mas sei que irei chorar muito, um choro de alívio, de desabafo, de encantamento, um choro de vitória e de agradecimento à todos que me ajudaram nessa árdua jornada, à todos que acompanharam meu sofrimento, que me motivaram e até aos que não acreditaram em mim ou tentaram me desanimar, muita dessa força que tenho se deve à eles, pois a desconfiança deles me fortalece!