Se você não conseguiu passar esse ano, não desista!

voce-nao-e-derrotado-quando-perde (1)
Nessa ocasião, pós-sisu, pós vários resultados importantes, uma única certeza: você tentou! Não se envergonhe dos seus resultados, apenas saiba se são reais, ou se você “chutou” tudo, acredito que você, – caro Vestibulando de Medicina, não faz isso e se precisar, não chuta! Usa seu “jogo de cintura”, suas técnicas treinadas. Você é um “rato de prova”, todos têm receio quando você chega em sua sala, com o adesivo em sua carteira trazendo o curso “Medicina Integral” e seu jeito único de demonstrar sua preparação, você tem todas as características de um vencedor, confie mais na pessoa que te guia todos os dias, confie em você! Para Medicina devemos buscar todo conhecimento que nos ajude nas resoluções, para isso é fundamental treinar bastante suas “armas de guerra”, seu diferencial, não prepare-se apenas na didática, pense também nas suas “multi-armas”, tudo faz diferença para nós. Fiz um levantamento sobre meus anos como Vestibulando, desde 2010 prestando, entretanto, focado em Medicina, desde 2012. Eu estava triste, pois não consegui passar ainda e presenciei pessoas menos experientes conseguindo a aprovação. Isso parece desmotivar muito, mas após fazer as notações gráficas cheguei à seguinte conclusão: De 2010 à 2011 – Queda brusca. De 2011 à 2012 – Leve alta. De 2012 à 2013 – Alta. De 2013 à 2014 – Salto (recorde). Observação: Preciso melhorar muito pouco para conseguir passar, meu foco é aperfeiçoar meus pontos fracos, ser mais produtivo e conseguir um novo recorde: poder escolher entre as universidades do meu sonho: (USP e UNIFESP) O que eu fiz para melhorar meu desempenho? Se vocês observaram nos anos de 2010 à 2011 tive uma queda muito grande, eu deveria ter progredido, mas minha nota caiu demais. Minha primeira reação foi a decepção, me achei um incapaz, abaixo das outras pessoas, um inútil que não tem a mínima capacidade de competir e que jamais chegaria à nota de um Vestibulando de Medicina, quase desisti de tudo. Depois de ter sofrido com os resultados, – é importante ter seu momento de sofrimento, ele traz boas reflexões -, minha primeira atitude após esse fracasso foi avaliar o que me prejudicou. Eu nem sabia, mas estava utilizando intuitivamente por minha reflexão a maior arma que já tive: a análise dos meus erros. Meu problema era grave, falta de conhecimento pura. Não sabia nada, até Biologia, matéria fundamental até para “gabaritar” na maioria das provas, eu errei quase tudo. Eu era uma lástima, precisava trabalhar minha “burrice”, – como eu dizia, o mais rápido possível. À partir daí as coisas foram melhorando gradativamente, mas meu gráfico nunca mais teve quedas. Eu sei que não terá mais baixas, pois o erro é meu maior indicador e também que eu não desisto por nada. O amor me guia e sonhar pela Medicina me torna cada vez mais vivo e apaixonado por viver. Às vezes pensamos que nada está dando certo, mas estamos aferindo direito nossos progressos? Estamos nos dando prazos e metas que respeitem nossos limites? Você conhece seus limites? Se preocupa em conhecê-los? Estamos deixando-nos afobar por esse sentimento “eufórico” de ver os aprovados graças aos exemplos alheios que a mídia, as redes sociais ou até familiares nos impõem? Se suas respostas foram desanimadoras não se preocupe. A maioria de nós comete os mesmos erros, eu mesmo, com tantos anos prestando, ainda deixo-me contaminar por esse sentimento dos aprovados, não os desmerecendo, eles têm mérito, mas essas visualizações nos deixam “angustiados”, com vontade de passar logo, com muita fugacidade, podem não apenas trazer um sentimento de tristeza profundo, como na pior das hipóteses: trazer a desistência e a inscrição em outro curso só para sentir o gostinho de uma aprovação. Garanto-lhes, nada se compara ao gosto de passar no curso dos seus sonhos. Não consegui ainda, mas só de pensar meu coração dispara, meus olhos brilham, começo a tremer e querer pular, vibrar, abraçar todos e gritar feito um louco… (risos)

Como lidar com as provocações implícitas ou explícitas que surgem a todo instante? images
Busque o autoconhecimento. Lide mais com você, sei que isso não se adéqua a muitos membros, mas se você se sente inseguro para lidar com essas provações da sua paciência, você precisa se conhecer mais. A melhor forma de refutar essas provocações é você ignorá-las, parece paradoxo, mas é a melhor forma: “refutar com indiferença”. Os provocadores têm muito ódio de pessoas assim, pois elas demonstram equilíbrio, isso é o que você precisa para manter seus eixos e superar suas dificuldades em conjunto, trabalhando tudo, não apenas um termo isolado. Evite conflitos, estamos num momento delicado, as pessoas olham-nos com olhar de “pena”, mas você sente pena de si? Eu não sinto, então não dê uma de “coitado”, reconheça, não obtemos êxito. Lembra de tudo que já conversamos em postagens anteriores sobre produtividade e sobre persistência? Você está aqui para vencer, estipule um prazo longo (que talvez você leve menos tempo para passar do que o planejado) isso deixa sua consciência leve, você tira o “peso do mundo” de suas costas (cobranças da família, amigos, etc), não seja um aceptor de problemas, talvez você tenha uma alma altruísta, mas tente enxergar suas qualidades e aplicá-las onde devem estar nesse momento, voltadas para seu objetivo. Eu sei que você quer ajudar assim como eu, porém, existem várias formas para isso, ajude-se então a tornar-se médico, as pessoas precisam de você, eu quero que você consiga! Precisamos de pessoas com essa determinação e essa paixão por ajudar outros seres humanos, você será um médico maravilhoso! Portanto, evite quaisquer conflitos e saiba “driblá-los” com o mesmo jogo de cintura que você dribla as questões difíceis e as provas difíceis, você é um vencedor! Manter-se nesta página buscando aumentar sua capacidade em vários eixos demonstra sua fortaleza. Passar é questão de paciência, pois em seu caso a aprovação está garantida! Persistência é tudo, aprender a apanhar e lidar com as pessoas te faz crescer! Tem uma coisa que vi hoje no filme “rocky balboa”, trago como exemplo para nós que tentamos muito e nos frustramos por não ter nossos esforços reconhecidos como deveriam. Não vou recordar-me exatamente da fala ou “pensamento”, enquanto Rocky (Sylvester Stallone) levava vários golpes, era algo assim: “Não importa o quanto você bate, mas sim o quanto aguenta apanhar e continuar. O quanto pode suportar e seguir em frente. É assim que se ganha.” Força! Levamos um golpe grande, para alguns como eu, mais de 4 golpes! Mas estamos chegando no nosso “Round”, paciência e não se afobe, chegará nossa hora de “nocautear” nossos obstáculos e abraçar a Medicina. Aos vestibulandos inexperientes: Talvez você teve seu ano mais difícil, estudou muito, não é? Está respirando o sonho de tornar-se médico, muitos obstáculos podem te desanimar e tirarem sua concentração. Busque sempre melhorar, não aceite a imposição nem de veteranos dizendo que você é inexperiente, ninguém sabe quando será aprovado. Uns precisam de 7 anos, outros de 1 ano; só importa uma coisa: não desista e nunca desacredite do seu potencial, você é o único capaz de contrariar a expectativa alheia e vencer-se, ser aprovado! Aos vestibulandos experientes: É caro, estamos no mesmo barco. Mas precisamos sempre renovar nossas esperanças, às vezes o que impede nosso êxito pode ser algum medo passado, lembro que há um tempo atrás o medo do fracasso veio me atormentar novamente, mas somos fortes. Fiz um levantamento dos meus medos e me lancei contra eles, lembre-se: não devemos buscar sobrevivência, devemos encarar nossos medos, enfrentar nossos obstáculos, lutar contra nós mesmos e, por fim, concluirmos que quando fazemos tudo isso, sobreviver transcende-se e transforma-se em viver. Você não está num sepulcro em plena vida, você está no mais repleto clímax consigo, pois está vivendo por seu sonho e vivendo seu sonho. Sempre questione-se o que deu de errado, o que você pode fazer de diferente, estipule suas metas, premie-se simplesmente por não ter desistido! Você é um exemplo grande para mim, vibraremos juntos essa jornada concluída.

DEPOIMENTO DE APROVADO EM MEDICINA – FURG – A LISTA RODOU PARA ELE, CONFIE !

Olá caros, não sou tão criativo com títulos, mas deixemos isso de lado! Tenho algo importante para os Vestibulandos de Medicina que estão tristes com o desempenho no ENEM, e estão perdendo as esperanças com sua classificação!
Exemplo cruel e real: 70º de 3 vagas […]
Bom caros, nesse depoimento já havia uma “quase certeza” de que a lista rodaria, a situação era mais agradável, porém, isso serve de motivação à vocês.
Vi vários exemplos de listas que rodaram muito de várias Federais, até mesmo pessoas com notas “impossíveis” para Medicina conseguiram passar, pois a lista rodou e muito, mas a insistência destes se sobressaiu!
Quem tiver alguma desconfiança no que eu disse, por favor: veja a 4ª lista de classificados em Medicina na UFAM (Universidade Federal do Amazonas), deixarei o link aos desconfiados. Aprovados com notas menores que 600, eu achei improvável, mas calei-me diante dos fatos! Vejam o Link:
4ª LISTA DE ESPERA APROVADOS UFAM 2014.
Tirem a prova com os próprios olhos, acreditem, tudo é possível! Não desanimem e participem de todas as listas de espera que surgirem, espero que a lista de todos vocês rode!

Sem mais delongas, vamos ao DEPOIMENTO!
Ele foi buscado no Blog “Estação Vestibular – Próxima Parada: MEDICINA”, sem nenhuma alteração; no final disponibilizo o link…

Papo de Aprovado 10#

Oiiiiiiii Pessoal! Domingo é o meu dia! E venho com mais um papo de aprovado =D  E o nosso papo de aprovado de hoje é com o Filipe! =D Espero que gostemm!

Beijosss~*

Quem é o Filipe?

Filipe Oliveira da Silva, 19 anos, 1,85m, magro, de São José do Rio Preto-SP, cursando medicina agora na FURG(Univ. Fed. do Rio Grande-RS). Amigo, esforçado, inquieto, tranquilo, sonhador.
Porque você escolheu Medicina?

Quando eu ia no pediatra eu achava ótimo aquele local de trabalho dele. Ok, ele sempre dava algum gibi ou doce no fim da consulta, e eu achava isso muito massa, falava que ia trabalhar lá. Hahaha, mas cresci comecei pensar em dois cursos: Publicidade e Direito(Sempre fui bem comunicativo, e achava que tinha que trabalhar com algo que eu falasse bastante). Chegou o terceiro colegial eu descartei Publicidade e resolvi prestar direito, mas só queria Largo do São Francisco, não pensava em outra faculdade. Pois bem, estudei pra caramba e não passei. Entrei pro cursinho pensando: Poxa, mais um ano puxado desse, e acho que direito não é bem o que eu quero. Logo me veio Medicina na cabeça, mas em um primeiro momento como uma coisa bem distante ainda, veio na cabeça pelo desafio eu acho. Eu sempre me cobrei muito, sempre me desafiei muito, e acho que quis começar outro desafio. Pois bem, entrei no cursinho firme que queria medicina, e o que era “só um desafio” pra mim, passou a ser algo sério, e comecei a entender o pq da medicina.

Falei tudo isso, mas acho que agora que respondo a pergunta, que só no cursinho eu fui saber responder: Medicina pra estudar a coisa que eu acho a mais fascinante: O ser-humano. Era encantador pensar na possibilidade de entender melhor o funcionamento do corpo, poder ajudar, poder ter uma profissão que eu me orgulhasse.

Quanto tempo de cursinho, e o que ele acrescentou à sua vida?

Fiz 1 ano de cursinho. Acho que tudo que vou falar é bem clichê, mas é o que aconteceu comigo e deve estar acontecendo com todos vcs vestibulandos. No cursinho eu  potencializei minha capacidade de ser paciente, de acreditar mais em mim, de traçar objetivos diários, semanais, mensais e cumpri-los. Passei a ter mais fé, a entender melhor sobre prioridades, a dar mais valor no apoio de amigos/familiares verdadeiros, a deixar o inútil, o fútil de lado e só olhar pro que importava no momento: passar no vestibular.
Acho que tudo isso são coisas que vou lembrar pro resto da minha vida acadêmica e profissional. Com certeza todo esse aprendizado não foi em vão.

Como você dividia seu tempo de estudo?

Eu era muito organizado, fiz um cronograma e segui rigorosamente!(sinto falta disso, nesse primeiro semestre de faculdade não consegui seguir a organização que eu tinha, haahah). Em vez de falar só do tempo de estudo vou relembrar minha rotina aqui, que de segunda a sexta era: Cursinho das 7 as 12:35, no intervalo eu lia jornal. Não morava tão longe do cursinho, e coincidia de ir pra casa almocar com meu pai. Então até umas 13h eu já tinha almoçado. Dormia das 13 as 13:30 (isso fazia toda diferença pra mim). 14h eu já estava no cursinho de novo, na sala de estudo. Lia toda teoria e fazia os exercícios mais importantes. Voltava pra casa entre 19-21h e fazia os exercícios que faltava a noite, e se desse tempo lia algo pra redação. De sábado minha aula tbm era das 7 as 12:35, mas eu não conseguia estudar muito bem a tarde, geralmente dormia até umas 15h e estudava até umas 19h. Sabado a noite eu descansava. Domingo cedo fazia redação, e a tarde exercícios que não deu tempo de fazer durante a semana.

Eu dei muita atenção pra redação e pra exatas. Treinei muuita redação, algumas durante a semana também, alcancei a nota que eu sonhava em todas redações, mas exatas me derrubou em todas de SP. Minha dica principal é: TREINEM MUITO REDAÇÃO, leem muito, leem jornal, revista, se atualizem.

Quais eram suas maiores dificuldades?

Tudo que envolvia física!! (hoje na faculdade ainda sofro com biofísica, mesmo não tendo muito a ver com a física do ensino médio, acho que só o nome já me amedrontou, haahah)
Qual era sua ‘inspiração’ nos momentos de desânimo?

Eu sempre tive muita fé e passei a me apegar mais a Deus, e acreditar que ele poderia me dar mais força, pra aguentar mais um dia. Além de olhar Orkut de ex-vdms, vídeos da faculdade, VIDEOS DO INTERMED! HAHAHAH(Intermed sul foi mês passado, ainda estou naquele clima, valeu a pena estudar! hahaha).

A outra inspiração é o pensamento que eu levei durante o ano(na ultima pergunta)

Como foi ser aprovado?

Amo contar isso, posso me empolgar nessa resposta? huasehauhuaha

Fim de janeiro, não tinha passado em nenhuma de São Paulo, eu estava muito decepcionado, mas já conformado. Pois bem, lá fui fazer minha matricula no anglo. Um dia antes de começar as aulas, eu entro no site da faculdade que estou hoje(FURG) e vejo meu nome numa lista de espera. Não entendi muito bem, comecei a ler e vi que teria uma “chamada oral” naquela mesma semana, e que eu deveria ir laa pro RS, perto do Uruguai (Meu Deus, tenho chances, mas tenho que ir até la, e agora?) Falei pro meu pai, ele foi resolvendo tudo. Fui no cursinho no outro dia, peguei aquele monte de livros, mas só pensando se iria la declarar interesse. Voltei pra casa, e peguei o voo na manha seguinte. Cheguei no RS, eu era o 14 da lista de espera. A LISTA RODOU ATÉ O 13. Meu Deuss, como assim, por uma pessoa eu não começo minha tão sonhada faculdade semana que vem? Maaaas, descobri la mesmo, que uma pessoa tinha passado na cidade dela, e estava deixando a vaga. Comecei a fazer a conta(muito difícil por sinal): Sou o primeiro da próxima lista. Já tem uma vaga garantida pra próxima chamada. MEU DEUS, EU PASSEI? Ainda não ¬¬ , não dava pra acreditar! com certeza algo daria errado! Tava muito bom pra ser verdade: O curso que sonhei o ano inteiro, no sul, no litoral… não, com certeza algo daria errado. Voltei pra casa, comecei acompanhar a comunidade do pessoal de lá, desisti de ir no cursinho, via fotos, todo mundo estava la, minha vaga estava la, mas eu não podia ir enquanto não saísse o oficial. Liguei naquela faculdade todo dia, e eles não falavam o dia que sairia o resultado. 1 semana e nada, 2 semanas e nada, 3 semanas atualizando aquele site a todo minuto e naaada. Até que numa terça-feira a tarde eu atualizo o site e vejo que saiu a próxima lista. Não tinha ninguém em casa, parei, olhei pra noticia e nao acreditava que realmente teve essa outra lista(eu já achava que não teria mais). Abro a lista. Ctrl F, medicina. MEU NOOOME ali em cima já?! Não tem como explicar esse minuto, por mais que “eu já sabia” que a lista rodaria e tal, foi algo indescritível, e ai foi tudo muito rápido, na mesma tarde já teve meu trote aqui, cheguei em casa meus pais fizeram uma surpresa: uma carta e  um esteto, saímos pra jantar e de madrugada já peguei o voo pra esse sonho chamado medicina!
Como é sua rotina hoje, de aulas e atividades atreladas ou não a faculdade?

Bom, como eu sempre fui de SP, mudar pro RS foi algo bem diferente, mas muito proveitoso, a rotina de morar longe de casa está me fazendo crescer bastante.

Por mais que o curso seja integral, a rotina é bem variada. Desde um dia em que eu quase não tenho aulas (terça) até um dia que tenho aula das 7:45 as 21h (quarta). Toda sexta de manhã somos divididos nas UBS da cidade e acompanhamos os médicos lá. Acompanhamos uma gravida durante o ano(a que eu acompanho vai ter o bebe agora em agosto, estou ansioso pra ver o primeiro parto)

Fora o tempo na faculdade eu tento ir pro anatômico estudar pra prova pratica, tentei começar ir pra academia mas não consegui, ahahah, entrei no basquete da faculdade 😀, treinamos todas terças; alguns fins de semanas eu saio, outros não.

Entrei na liga do trauma, mensalmente tem um plantão de madrugada, em que acompanhamos o PS. É uma das partes que mais gosto.


Você mudou sua visão a respeito da Medicina no decorrer do curso?

Só tive um semestre, então até agora a faculdade é bem o que eu esperava. Com suas qualidades e defeitos.
Um recado pros nossos leitores & sofredores de plantão.

Algo que eu pensei desde o começo do cursinho, acho importante conseguir pensar assim:

Você vai ser médico! Tudo tem um tempo, basta você não desistir e continuar acreditando, se você lutar e não desistir, não tem outra saída, você vai ser médico!

Então a cada momento de desanimo, lembre-se que sua rotina de médico já começou, não começa só na faculdade. Começa agora, com você tendo forças pra lutar e aprender pra passar no vestibular, começa agora com você indo pro cursinho feliz pela sua carreira já ter começado. Não adianta se lamentar, você escolheu o curso mais difícil, então animo e força, no segundo semestre esse pensamento de “Minha carreira já começou aqui, estou feliz por estar no caminho certo” faz a diferença.

Parabens pela força doutores, vejo vocês pelos hospitais, congressos da vida. E quem for vir pro sul, até o intermed 2012 😉

FONTE:
https://estacaovestibular.wordpress.com/2011/07/24/papo-de-aprovado-10/

 

QUAL SUA MAIOR RENÚNCIA PARA CONTINUAR LUTANDO PELA MEDICINA?

sdsdsw

Olá caros, há uns dias atrás eu estava conversando com uma grande amiga minha sobre nossos progressos no vestibular, mostrando as notas, os aumentos gradativos,  mostrei um gráfico que revelava um aumento significativo nos meus últimos vestibulares, pequenos avanços, mas significativos progressos; tivemos uma longa conversa e muitos assuntos surgiram. Eu confesso à vocês, como sabemos por nós mesmos, todo Vestibulando de Medicina tem momentos de reflexão, eu não estava “sentindo algo motivador” para criar uma postagem que transmitisse algo inspirador à vocês, quando estou assim prefiro refletir e buscar motivações; após esse “saboroso diálogo”, lembrei da minha maior loucura pra entrar de vez na busca do meu sonho: Medicina, e jogar o “medo” para longe do meu caminho. Aliás, vocês devem ter notado a imagem desta postagem, não é? Aposto que se identificaram com a frase, sonhamos alto, mas quem falou que temos medo de lutar pelo nosso sonho?
O título da postagem é bem sugestivo, pois a intenção não é apenas eu falando, quero a participação de vocês nos comentários – se puderem, compartilhando suas experiências e a loucura ou renúncia de vocês. Lembrem-se: somos uma corrente que se ajuda e transmite auxílio, nem que seja por uma mensagem de conforto à outras pessoas que necessitam da nossa experiência, ao final se tiverem alguma história, estarei atento para lê-la.
Eu repito várias vezes aos meus leitores, sempre que buscarem um significado no texto, não leiam as palavras! Apesar de paradoxal, faz sentido. Sintam o texto, imaginem a situação, tenham empatia, coloquem-se nas entrelinhas, o texto foi feito para inspirar cada um de vocês, e para fortalecer a nossa confiança pra vencermos todos os obstáculos que estão por vir, mas torno a repetir, não tenho a sensibilidade do gênio – meu ídolo, Chico Buarque de Hollanda, porém, tento caracterizar ao máximo os textos para trazer sentido à leitura, buscando conquistá-los, meus caros.
Então, sem mais delongas… 
Vamos à minha maior renúncia, o que eu fiz para manter meu sonho vivo abrindo mão de muita coisa….

MINHA MAIOR RENÚNCIA

Como repito sempre, estou há 4 anos tentando Medicina, se não for aprovado em uma das provas que estou aguardando, será meu 5º ano. Em 2010 eu prestava provas inconscientemente, não tinha um norteamento, sabia que faria parte da saúde brasileira, entretanto, Medicina era muito para mim, “coisa de pobre” como meus avós, familiares e alguns amigos diziam para mim. Eu, por não ter mínima maturidade, digeria bem esse veneno que só aumentava meu medo e o sentimento de incapacidade, não apenas por me ver incapaz para a Medicina, mas por não me ver capaz para nenhum curso a cada “balde de água fria” nos conselhos de vida que eu recebia, eu me achava “burro”, fraco e com o destino traçado: ter uma vida pataca, fracassada e estagnada, sendo escravo dos serviços desumanos e braçais, sem perspectiva, eu era o “pessimismo desnorteado”, não tinha exemplos de que é possível passar; hoje tenho vários, presenciei pessoas sendo aprovadas, coisa que naquele tempo, para mim seria impossível, pessoas com uma vida difícil, dificuldades financeiras, trabalho, persistência e no final, gratificação e cumplicidade por ter vencido, o autorreconhecimento.
Após o período de muito desestímulo, prestei meu primeiro vestibular, – cheguei a fazer uns 5 meses de cursinho, mas desisti porque não conseguia resolver nenhum exercício -, realizei o ENEM, nunca havia pensado que numa prova dita como “fácil” por vários professores da época, poderia me desestimular tanto, eu  não sabia fazer nada, entrei em desespero e chutei várias, – senão a prova inteira, o pesadelo estava concretizado e o medo ganhava força: eu não era capaz.
Tive um desempenho horroroso, não conseguia nem “passar em RH”, não menosprezando o curso, respeito todas as profissões, cada uma tem seu grau de importância para nossa carente sociedade, mas minha nota não deu nem para Recursos Humanos, foi uma das saídas para dizer:”PASSEI”, só para me sentir igual aos outros que conseguiam alguma coisa, pra me sentir bem, e ocultar o sentimento de incapacidade, devo dizê-los que meus familiares ostentavam aprovações – nenhuma em Medicina, exemplos de amigos dos meus familiares, amigos de colégio com fotos em rede social “FACULLL”, isso me deixava muito triste e fazia meu mundo cair cada vez mais. Mas se tem uma coisa que eu aprendi com tantas frustrações, foi ser forte e frio, conseguindo controlar meus sentimentos de derrota e convertendo-os em ódio do vestibular. Logo, vemos um problema, o vestibular me causava “ódio” e eu tinha que me livrar dele, comecei a trabalhar meus erros, comecei a entrar em grupos virtuais de estudo, criar cronogramas – dos quais muitos nem iniciei, mas fiz um progresso, só que meu maior problema continuava me afrontando: o medo de enfrentar a Medicina, “olho no olho”, de buscá-la, mas algo me ligava à ela…
Foi então que eu tomei uma decisão, não me recordo perfeitamente – não sou tão preciso com datas, no início de 2012 me inscrevi no curso Técnico de Enfermagem. Foi algo inusitado, mas eu sentia que isso iria me aproximar da Medicina, “iria”, aos poucos fui gostando do curso, por acaso nos trabalhos e seminários, eu era péssimo no tema “Cuidados de Enfermagem”, calma! Eu não sou uma má pessoa, eu não conseguia aprender, tampouco, demonstrar interesse pelos cuidados, queria me aprofundar nas patologias, conhecer todos os microrganismos, Plasmodium, Cryptosporidium, Klebsiella, saber todo o funcionamento do organismo e do sistema imunológico, anatomicamente e fisiologicamente, aprender a psicologia aplicada, eu adorei um trabalho que fizemos para interrogar profissionais, visando analisar didaticamente os relatórios em sala, para ver quem “supostamente” apresentava o perfil de “Síndrome de Burnout” que é o estresse excessivo ao trabalho e faz os profissionais perderem o sentido pelo qual buscaram sua profissão. Além disso, me fascinava com a saúde do idoso, saúde da criança e estudava loucamente as patologias do sistema nervoso, principalmente neurodegenerativas, Alzheimer, Parkinson, etc. Se eu ficasse dizendo o que eu gostei, levaria a postagem inteira, mas isso era um problema, aos poucos me distanciava da Medicina, cheguei até a pensar em começar a prestar Enfermagem, já que não estudava mais para o vestibular desde que comecei o Técnico de Enfermagem – mesmo prestando as provas, abri mão dos estudos e me afundei no Técnico, me afundei tanto que era referência da turma, Professores, Coordenadores, todos comentavam meu desempenho, minha paixão, me convidavam para estágios remunerados, recebi até mesmo propostas para trabalhar em hospitais conhecidos por indicação. Eu me lembro como nunca, era muito elogiado nos estágios, os pacientes falavam para meus professores: “esse garoto me tratou tão bem, nenhum funcionário desse hospital havia cuidado de mim assim, ele vem amanhã?” Só que um problema começou a surgir.  Me deparei novamente com algumas desmotivações, enquanto eu estava em clímax, era como se eu estivesse vivendo a Medicina “camuflada” de Enfermagem, para mim era Medicina, mas aos poucos fui tomando consciência da minha posição, principalmente quando conheci alguns profissionais que só desmotivavam a gente, um desses me disse: “estudar para quê garoto, somos todos “lixeiros de colarinho branco”. Isso foi um verdadeiro “balde de água fria” na minha motivação, eu comecei a perceber que estava fantasiando a profissão do meu sonho, quando ficava perguntando coisas específicas para os pacientes, o aspecto, o nome que o médico disse do microrganismo, coisas bem específicas e não atribuídas à Enfermagem, começaram a me alertar, dizer que não podia conversar com o paciente, que deveria entrar, fazer o procedimento e sair. Mas eu era muito comunicativo, um dia no Hospital da Mulher em Santo André, quando menos esperei, estava eu, no meio de várias pacientes gestantes, conversando, rindo, tirando as dúvidas, dizendo sobre meu sonho, e os outros alunos chamaram minha atenção porque eu deveria “cumprir minha tabela” para que todos pudessem ir para casa. Eu não reclamei, comecei a virar uma espécie de “robô”, estava perdendo aquela paixão, levava diagnósticos para casa e os estudava, para no dia seguinte fazer demonstrações ao Professor e chefe de Enfermagem do Hospital Beneficência Portuguesa de São Caetano, fui uma grande referência, quando eu voltava para casa ele parou o carro e me fez uma proposta, pediu para eu ir num dia em que ele estivesse de Plantão – devo dizer que ele era bem rígido e nunca fez isso com nenhum aluno do meu grupo, disse que após a conclusão dos estágios, que eu deixasse um currículo diretamente para ele me encaminhar, eu já tinha várias propostas, Hospital Helena também, pois na mostra cultural que tivemos durante minha apresentação de Asfixia com o grupo eu socorri “sem saber”, a responsável pela contratação do pessoal de Enfermagem, pois ela teve uma queda de pressão pelo ambiente quente e abafado, também havia feito prova no Hospital Mário Covas, estava bem encaminhado e com a profissão garantida.
Até que um dia, com algumas dúvidas sobre qual Hospital deveria trabalhar, fui para um estágio, lembro desse dia como se fosse ontem, foi nele que tive minha maior descoberta. O estágio foi no Hospital de Ortopedia e Traumatologia IFOR de São Bernardo do Campo, durante este, tivemos a oportunidade de ir ao Centro Cirúrgico assistir uma cirurgia, me impressionei tanto, tanta autoridade, tanto controle da situação, tantos instrumentais, tanta interação e descontração entre os Médicos, que pensei profundamente pela primeira vez em toda minha vida: “à quem eu quero enganar, estou perdendo tempo, meu lugar é na Medicina”, depois desse dia tive uma semana agitada de pensamentos, comecei a planejar como faria para largar o curso, já havia concluído o Auxiliar e faltava pouco para concluir o Técnico de Enfermagem, quase dois anos de curso, estava no final – faltavam uns 5 meses, até planejávamos o TCC, mas meu medo era muito grande, largar tudo, estava inclusive recebendo ajudas financeiras de minha família, que declarava apaixonada ao mundo, como eu era bom, e como tinham orgulho de mim, finalmente, eu, o medroso fracassado, era alguém cobiçado, alguém que tinha importância, que tinha um sentido.
No meio de tantas dúvidas e vontades controladas, fui à uma página do Facebook, supostamente conhecida como: Projeto Medicina, numa postagem, estava o título: “Qual a maior renúncia que você fez para continuar buscando a Medicina”, parecia que essa postagem havia sido feita para mim, vi tantas histórias e me impressionei com a determinação dos membros, inclusive, um deles havia sido aprovado depois de uma eternidade, abandonado um curso de Biologia e várias situações adversas, comecei a confiar que eu podia, comecei a pensar que deveria estudar só focado para Medicina e abandonar tudo em nome desse sonho, do meu sonho. Foi então que me questionei: o que estou fazendo para buscar meu sonho? A resposta foi vaga, não estava fazendo nada, prestava o vestibular dizendo que queria Medicina, mas nem me importava mais em estudar. À partir dessa postagem, decidi ser radical e juntei toda minha vontade, todas as minhas histórias, experiências, vivências, joguei todos os “sonhos provisórios” na lata de lixo, decidi buscar somente a Medicina, abandonei tudo, recomecei do zero, só que uma coisa mudou: minha confiança. Joguei o medo no lixo, junto com minhas propostas de ser alguém, minha conclusão? Fiz a melhor escolha, hoje não estaria com esse BLOG, compartilhando tanta coisa com vocês, motivando-os, dando dicas, mostrando que é possível acreditar, se não tivesse tomado essa decisão, e vejam! Foi através de uma postagem, às vezes uma simples palavra de apoio no momento certo, faz transformações incríveis, muda uma vida inteira e nos aproxima dos sonhos, por isso que mantenho esse blog ativo, sei que muitos nem sentem o que eu escrevo, mas alguns, no fundo, identificam-se com cada palavra, e querem realizar esse sonho, é por isso que não abandonarei a página nem quando for aprovado, continuarei compartilhando minhas experiências e paixões com vocês.
Hoje estou a pouquíssimos – acredito eu, um degrau. Posso não ter uma Faculdade, uma formação acadêmica, mas tenho vontade, tenho confiança, não tenho medo de cair, já tive quedas grandes e dou minha cara para bater, as experiências trouxeram muito crescimento, eu não me arrependo de ter feito o Técnico, tampouco, de ter desistido no final, ainda tenho o certificado do Auxiliar, mas nem atuarei mais, quando alguém tem problemas de hipertensão ou hipotensão, faço aferição, teste de glicemia, etc. Tudo para ajudar, não exercerei Enfermagem no âmbito auxiliar, profissionalmente, mas estou motivado e tenho certeza de que minha Faculdade de Medicina se aproxima, e quando isso acontecer, farei questão de compartilhar esse amor com vocês, e libertar cada palavra de motivação, cada grito contido, porque tudo é possível quando você tem um sonho e não abre mão disso por nada, enfrentando até seus medos, buscando seu sonho dia pós dia, calorosamente, de forma árdua, sofrendo, mas tudo será compensado. Meu conselho para quem está começando? Acredite em você, ninguém será aprovado por você, por isso, busque motivações, descubra-se, viva o seu “eu”, com muito amor, respeite seus limites e valorize sua capacidade. Se chegou até o final desse texto, já é um vencedor por buscar motivação para sua força-motriz interna. E quem está há um tempo? Paciência, sua hora está chegando, já te considero um vitorioso e quero sua história de glória quando for aprovado, estamos juntos, seremos amigos de profissão – e quem sabe poderemos atuar juntos!
Confio em vocês, quem tiver alguma história, comente e inspire à todos! Abraços Doutores.

ESTUDANDO NO CURSINHO

marcela1

Olá meus caros, demorei alguns dias para criar essa postagem, entretanto, não poderia passar em branco e deixar de criar essa publicação para todos que farão cursinho, estou pensando muito nos alunos que farão pela primeira vez, ou que não conseguiram um bom desempenho e rendimento, se puderem aproveitar o máximo essa postagem, garanto à vocês! Terão um desempenho tão melhor quanto o que eu tive em pouco tempo. O intuito dessa postagem fixa é orientar os Vestibulandos de Medicina à conseguirem aproveitar muito bem o ambiente que o cursinho pode oferecer e todo esse aproveitamento transformar-se em resultados. Sou muito ambicioso com relação à resultados, sei que ambição é algo ruim, desde que seja para fins errados, mas sem um pouco de ambição e audácia, jamais conseguiremos alcançar a lista de aprovados.

Sem mais delongas (já ficou clichê essa frase – risos)…. Vamos lá…

DICA 1 – ESCOLHA DO CURSINHO

Essa dica nem deveria estar aqui, porém, muita gente escolhe cursinho pelo valor achando que isso faz um cursinho ser bom. Calma aí pessoal, sei que é chato alertar, mas quem faz o cursinho é a sua vontade de aprender, se você quer aprender, qualquer cursinho é bom – com algumas exceções, mas se quer apenas “inserir seu dinheiro” num banco sem retorno, qualquer um funciona. Não citarei todos os cursinhos, mas direi os principais, dos quais tenho referências.
Se você tem dinheiro para investir, você tem algumas opções: Poliedro, Etapa, Hexag, Anglo. Todos são excelentes, muitos outros também são, mas irei apenas dar as características que você deve explorar muito bem, esses cursinhos que referi possuem, mas não apenas eles, muitos outros têm.
Se você quer economizar, mas quer um cursinho referência e que eu mesmo faço, recomendo muito, faça Objetivo, eles têm tradição, muitas aprovações em maravilhosas universidades públicas e privadas, e o melhor, você não gasta tanto, tem preços acessíveis, cursos específicos para Medicina, etc. Os outros cursinhos que eu disse antes possuem bolsas, este também.
Se você não tem dinheiro para pagar cursinho, vários cursinhos gratuitos possuem bolsa por seleção em prova e socioeconômica, mas darei uma referência: Cursinho MedEnsina. Tenho ótimas recomendações.
Desculpem as propagandas, não queria deixá-los na mão, mas lembrem-se, muitos cursinhos no Brasil são perfeitos para o que você busca, ser aprovado. Mas querem sinceridade? Vocês só precisam procurar algumas características que o cursinho “X” independente do nome, deve possuir, são elas:

• CARACTERÍSTICAS FUNDAMENTAIS DO CURSINHO QUE VOCÊ DEVE FAZER:

Lembrem-se, independente do cursinho, vocês devem conhecê-lo e ter exigência de um consumidor que quer o melhor para si, devem buscar informações com ex-alunos em comunidades ou pessoalmente, e, fundamentalmente, conhecer o local e as instalações. O cursinho ideal deve ter proximidade, principalmente com os alunos de Medicina, no meu cursinho eu conheço até o coordenador e converso com ele, para vocês terem ideia da proximidade. Além de proximidade, deve ter também uma sala de estudos apropriada, ventilada, com poucos alunos, ou se tiver muitos, que sejam rigorosos com a manutenção do silêncio, se possível com divisórias nas mesas (isolamento acústico), para aumentar a concentração. A monitoria é importante, deve ser constante, especialmente de exatas. Muitas dúvidas podem surgir e  ter um estagiário ou professor para saná-las é fundamental, mas não contente-se com isso, porque o importante é ter a monitoria, porém, devem ser vários monitores, o suficiente para você não ter que ficar cercado de curiosos e não conseguir perguntar, avalie bem isso.
Refeitório, veja se possui um bom refeitório com alimentos saudáveis e em conta, se não tiver condições de comprar, veja se tem microondas e geladeira, deixe seu alimento na refrigeração, depois retorne, coloque-o no microondas, daí alimente-se bem para poder arrebentar nos exercícios.
Essa é a mais importante: SIMULADO: Se possível, peça para ver algum exemplar dos simulados deles, sinceramente! Essa dica é uma das suas chaves para passar, o cursinho deve pegar pesado nos simulados e ter vários de múltipla escolha, discursivos, abertos e o seu papel como Vestibulando de Medicina, é fazer o máximo para não perder nenhum deles! Faça-os com audácia e maturidade, como se fosse a prova, treine suas estratégias e não deixe de ver seus erros, eu canso de repetir isso, seus erros são seus indicadores de reforço, trabalhe-os desde já.
Sobre professores, acho que nem devo comentar. Dificilmente um bom cursinho investe em maus profissionais e um bom cursinho faz periodicamente questionários para os alunos responderem sobre os professores, se estão satisfeitos, o que pode melhorar, coisas do tipo, se o professor tiver muitas reclamações ele perde seu posto.
Aulas de Redação, veja se o cursinho que você quer tem, isso é muito importante, nem devo comentar que a nota da redação salva vidas e na maioria das provas tem o peso de uma prova. Ou seja, você faz uma prova de múltipla escolha e a Redação é sua segunda prova, uma discursiva, então faça todas as redações que puder!
Ciclo crítico literário, pode ter outro nome na variação dos cursinhos, é óbvio, seria interessante ler a obra, mas se vocês tiverem a análise completa e comentada por professores que conhecem como ninguém o que dizem, vocês poderão até gabaritar, mas  recomendo que tentem ler as obras pelo menos nas férias, as segundas fases estão bem específicas e cobrando explicações e citações de trechos, seria importante saber citá-los.
Reforço de exatas, muitos não possuem, mas os bons possuem. Ou são no formato de aulas específicas, ou de cursinhos especiais, exemplo: Reforço para Medicina, Cursinho Especial de Exatas, etc.
Recursos audiovisuais, nem devo comentar. É fundamental ter esses recursos, pois nem sempre a lousa é a melhor ferramenta, e os professores não são desenhistas, nada como ver a foto do “Ancylostoma duodenale” quando estiver vendo aula de verminoses causadas por nematódeos, ou qualquer aula que necessite de imagens ou vídeos para aprofundar o assunto, fora que ter uma sala cheia no início do cursinho, sem microfone, fica difícil! No início todos estão eufóricos, mas na metade do cursinho até o final deste, a sala fica vazia, daí dá pra você conversar e pedir dicas mais específicas para os professores. É, as pessoas desistem, mas você não desiste, e eu sei disso, aliás, você está aqui procurando melhorar, não é?
Material entregue no prazo e professores que não atrasam tudo, procure saber disso com ex-alunos, o cursinho nunca dirá isso para você, se o cursinho atrasar essas coisas, fuja dele, é uma ordem! (risos)
Seriedade com alunos que querem aprender, procure saber se o cursinho é rigoroso com “baderneiros”, no cursinho que eu fiz – sem querer influenciá-lo, expulsavam os alunos baderneiros após punição verbal, deve haver um tipo de “contrato”, ou impresso – de preferência, ou verbal, entre o coordenador e os alunos, isso é fundamental para manter a ordem e ajudá-lo é claro, seu CDF (risos). Hoje estou engraçado… (mais risos)
Existem outras coisas que os cursinhos fazem, mantê-los avisados sobre datas, palestras, psicólogo, passeios nas universidades, etc. Deve ter isso também, mas ao meu ver, o fundamental e que te dará suporte para você ser aprovado foi comentado. Avalie profundamente essas alternativas que passei, vários cursinhos dos mais baratos aos caríssimos, possuem essas mesmas características, seja chato, faça seu papel de consumidor e aproveite tudo o que é seu e está em seu contrato. Essa dica tinha que ser longa, desculpem, mas seu futuro começa aqui.

DICA 2 – APROVEITANDO AS AULAS

Seja muito atendo às aulas, elas são fundamentais, seja ativo, faça anotações, se houverem questionamentos, não exite em fazê-los, vá acompanhando o raciocínio do professor mentalmente, imaginando as situações, anotando da sua forma, facilite as coisas para você! É bom saber resolver exercícios como os professores, mas isso é fácil para você? Pense nisso, se questione sempre, eu sempre aprendi a resolver da mesma forma que os professores, mas desenvolvi minha própria forma de resolução e trabalhei bastante para conseguir deduzir as mesmas coisas sem “gravar fórmulas”, isso não ajuda em nada, é óbvio, você tem que saber algumas fórmulas, mas a melhor forma de fixá-las é aplicando nos exercícios e fazendo sempre as fórmulas que você pode usar, obviamente, seria interessante você brincar com essas coisas, desmontá-las e ver de onde vieram e tentar desenvolvê-las sozinho, sem auxílio de professores. Atente-se à explicação dos professores e veja o que você poderia fazer para melhorar as resoluções que eles fazem, sempre pense em como você daria a resposta, torne-se independente do pensamento à execução, seja uma cabeça pensante, não deixe os outros pensarem por você, tenha postura em sala, encare os professores sem medo, olhe para eles e tente absorver o máximo possível da aula, demonstre interesse e não falte, se tiver que faltar, vá atrás da aula perdida, algumas turmas podem ter a aula que você perdeu, não custa ir atrás, perguntar, mas se puder, não falte por nada e não mate aula. Depois das aulas resolva exercícios de uma forma inteligente, que especificarei na próxima dica.

DICA 3 – AULA DADA – AULA ESTUDADA

Muita gente deu essa dica para você em sua vida como estudante, mas você seguiu-a de forma adequada? Aliás, você seguiu? Uma coisa importante e que pode fazer você procrastinar se não tomar cuidado, vai chegar um momento que a matéria parece virar uma bola de neve, mas nesse momento, você tem que ter maturidade e saber priorizar as coisas.
Essa dica é fundamental para seu desempenho sem grandes sacrifícios, é algo simples, não precisa montar uma tabela de matérias, se você teve aulas de (Biologia, Português, Matemática, Física e História), para quê resolver todos os exercícios da apostila de todas as disciplinas, se você domina a maioria das matérias, faça diferente. As apostilas costumam vir com vários exercícios, quando a coisa começar a ficar difícil de manter o mesmo ritmo, porque em algum momento isso vai acontecer, faça alguns exercícios de fixação, poucos, só pra você ter o contato com questões sobre o que viu. Assim você terá mais tempo para as matérias que perturbam sua vida, fará mais questões da tão temida, porém maravilhosa, Física, etc. Outra coisa, nada de ver Biologia no dia, e estudar Física, siga as aulas do dia, se estuda a noite, durma bem e cedinho resolva os exercícios da aula que viu.
Não precisa se desesperar fazendo milhões de exercícios, você aprenderá mesmo as disciplinas quebrando a cabeça e pensando muito nas questões que irá fazer, elas são importantes, mas não deixe de fazer provas por conta própria das instituições que prestará vestibular, em algum momento você terá que conhecer a prova que prestará, pra quê surpresas, não é? Conheça as provas e veja a incidência delas, assim, você saberá quais conteúdos priorizar conforme o que foi cobrado nas provas antigas do Vestibular que você prestará. Se precisar, releia a teoria, mas quer saber? Não compensa perder tempo com muita teoria, você aprenderá aplicando, talvez matérias mais conteudistas como história, geografia e literatura você tenha que ler, e terá, claro. Mas até nelas você só consegue aprender para não esquecer, se transpirar muito nos exercícios. Não tem jeito, o negócio é ralar nas questões.

DICA 4 – AMIZADES CERTAS

Calma, eu não quero manipular suas amizades, mas você terá vários caminhos diferentes se não souber moldá-las, um destes, pode ser a reprovação, e eu sei que você não quer ouvir falar nesse termo. Quem lê pensa que a amizade é por interesse, mas sabe que é? Vou explicar melhor essa relação de reciprocidade. As pessoas que você faz amizade têm algo em comum com você, se você gosta muito de estudar, terá amigos que estudam bastante, ou se você gosta muito de estudar, mas queria se libertar um pouco, até tem amigos mais liberais que gostam de sair, mas você se sente inseguro e pensa que não está dando atenção aos estudos. Muita calma, as amizades podem acontecer e eu não ditarei nada, mas conheça pessoas que trazem inspiração para você. Vou dar meu exemplo: Fiz muitas amizades, não fiquei amuado, sem amigos e me diverti com eles. Mas todos eles tinham algo em comum, independente das profissões, a vontade imensa de passar e vencer na vida! Nenhum deles era largado, e não queria “nada com nada”, o comum que digo é isso. Meus amigos, os melhores, queriam Medicina, Engenharia, Direito, Biomedicina… Os da área de exatas me ajudaram nos exercícios que tinha dúvida quando não havia plantonista, e eu ajudava-os com Biologia, História, etc. Eles foram grandes amigos que levarei para vida e tenho o lugar de cada um deles no meu coração, não existe relação saudável sem reciprocidade, a vida é uma constante troca de valores, por isso, saber escolher bem os valores que você quer ter, ajuda você à doar seus valores e os recebidos, tudo vira uma “bola de neve do bem”, não existe sucesso isolado, somos uma fusão de inspiração alheia, logo, tire o “clichê” da sua mente de que você tem que ser isolado e está em guerra contra todos, se tiver de estar em gerra, que seja contra você, enfrente-se, só você pode causar sua reprovação, mais ninguém. Suas escolhas, trazem suas consequências. Isso deve estar claro em sua consciência antes de começar a enfrentar-se.

DICA 5 – ENSINANDO E APRENDENDO

Lembra da reciprocidade? Então, parece que nada dá tempo no cursinho, mas acredite! Se você administrar bem seu tempo e sua produtividade, você terá tempo de sobra, não estude de forma monótona e nem queira ser o exemplo do cursinho, estude para você, mas compartilhe seu conhecimento com outras pessoas e receba conhecimento de onde menos espera! Eu tive um grande amigo no cursinho, ele foi para segunda fase da  Fuvest, e certamente irá passar, ele tinha muita dificuldade de se socializar, quer história, mas teve uma pontuação excelente. Ele ficava triste porque não aprendia Biologia e Física, e eu amava naquela altura essas matérias, conversávamos muito na sala de estudos, quando estava vazia – claro, eu praticava todos os exercícios de genética que ele tinha mais dificuldade, notava que ele ficava chateado às vezes, porque não acompanhava Biologia e Física e até faltava em algumas aulas, depois começou a frequentar muito e se interessar, a gente debatia muitos assuntos de história, redação, etc. Ele me corrigiu bastante nessas disciplinas e me deu argumentos, trocamos vários, o cuidado que tive em não errar o que eu explicava me ensinou, viu? Reciprocidade. Então, quando ele viu que passou para segunda fase, bem acima do corte dele, veio e me agradeceu, eu sempre via quando a gente terminava os estudos, completamente produtivos, ambos, estávamos satisfeitos e felizes porque produzimos sem pressão e quando víamos, tínhamos resolvido todos os exercícios das disciplinas do dia. Não precisa ser sempre, mas é bom ajudar e ter a ajuda de volta. Se você não consegue, não vou te obrigar, mas ensinar alguém e ser ensinado, além de gratificante e muito motivacional pra seguir em frente, faz você aprender muita coisa que não aprenderia sozinho, você cresce como pessoa, faz você pensar e “driblar” os obstáculos, você tem que ser preciso pra ensinar e dominar o assunto, logo, aprende ensinando, todos se ajudavam isso era perfeito, lembra das amizades certas? São essas. Isso só te motiva e faz seu ano ser maravilhoso, eu não passei esse ano, ainda tenho resultados, mas digo com toda a convicção, eu aprendi muito e superei minhas expectativas, sou um gigante comparado comigo há poucos anos, lembrando que presto há 4 anos. Não seja egoísta, ninguém consegue abrir seu crânio e roubar seu conhecimento, mas ambos, conseguem dialogar, afrontar ideias e chegar à raciocínios iguais, de formas diferentes. Você terá visões diferentes, portanto, diferentes formas de resolver um exercício.

DICA 6 – SIMULADOS

Os simulados fazem muitas pessoas desistirem, ou começarem a se desmotivar. Lembre-se, são feitos pra te destruir (risos), não leve a sério, mas eles deixam você se sentindo um lixo, os primeiros até são mais leves, mas conforme passa o tempo, você é destruído psicologicamente se não aprender a se controlar, mas é pra ser assim, estão te preparando para ser o melhor, e você será, pense nos soldados de Esparta, uma quantidade mínima fazia estragos em grandes grupos de soldados rivais, o número não importa, o preparo sim! Por isso, nem queira se assustar se um dia a concorrência por vaga for para 1000 candidatos/vaga, a mídia ajuda esse número à se ampliar, mas pouquíssimos estarão preparados como você, esses são os que você deve tomar mais cuidado e trabalhar para chegar no seu apogeu, conservando sua saúde, pensando em todos seus eixos cognitivos, tudo conta! Você vai melhorando lentamente, e chegará a comemorar os aumentos curtos de 3 questões a mais, com os simulados cada vez mais difíceis, isso representa melhora, acredite, toda pequena melhora deve ser celebrada com festa interna, digo, alegria e cumplicidade. As técnicas, estratégias e seu “jeitão” de fazer prova, dependem desses simulados, então, devem ter vários, nos primeiros você vai ter o primeiro contato, conhecer, treinar precárias estratégias, mas conforme vão avançando, você vai virando uma “máquina de fazer provas”. Normalmente, não terá os mais fabulosos resultados, e nem deve pensar em “status”, não estamos na escola, estamos falando de rendimento. Conforme você for vendo, seu tempo melhora, sua percepção de nível também, seu início é proveitoso, acabando com tudo o que você conhece, tudo melhora, você vira um monstro, mas para isso deve fazer, se possível, todos os simulados, e lidar com o sentimento de se sentir um lixo em vários deles, mas isso é pra você aprender a apanhar, levantar com ódio das provas, trabalhar os erros, e planejar estratégias mais eficazes para as próximas. Você não saberá tudo, por esse motivo, simulados treinam seu “jogo de cintura”, para saber lidar em quaisquer situações, sejam estas favoráveis ou completamente desfavoráveis, você será um “exterminador do futuro” nas provas. Aproveite e leve a sério, nada de preguiça, viva como se fosse um dia de prova, faça tudo o que fará no grande dia. O dia da prova real será igual um simulado para você seu gabaritador! Lembre-se de ficar alerta e fazer todos os simulados abertos que surgirem, sejam do seu cursinho ou de outros, conheça os outros vestibulandos testando-se contra eles, afinal, querem Medicina, você estará conhecendo o nível deles antes da prova, essa é sua chance de melhorar muito!

DICA 7 – CONTROLE EMOCIONAL

No cursinho os sentimentos são bem intensos, muitas pessoas focadas e passando as mesmas angústias podem sobrecarregar seu emocional, aliás, você conhecerá pessoas melhores que você, isso pode te deixar nervoso e inseguro, mas calma. O vestibular é decidido em detalhes, conheci gênios, verdadeiros crânios, mas tremiam na base no dia da prova, ou acabavam com suas energias mentais de tanto estudar 24 horas por dia e não descansarem de forma apropriada para as provas. Tudo é relativo, não é apenas o fator “conhecimento” que decide a aprovação, ele é apenas uma parte do processo. Controle-se com diálogos confortáveis com sua família e amigos, converse com pessoas que foram aprovadas, leia depoimentos, preste muita atenção no que eles diziam com relação à preparação e ao emocional,  tem gente que nunca pensou que pudesse passar, hoje já fazem planos acadêmicos, planejam pesquisas, hospitais, ações voluntárias, etc. Pense além, você pode e deve usar tudo para provar isso à si.
Quando se autoconhecer – de verdade, souber seus limites, suas vantagens, e que é capaz como várias pessoas conseguiram, estará muito perto de realizar o sonho. Eu me sinto assim, além de me sentir preparado mas com alguns reparos à fazer, sinto que estou pronto, me conheço, sei me controlar nos insucessos, eu não sou um gênio, mas aprendi o “jogo de cintura”, imaginem como eu era inseguro na época em que não sabia fazer uma simples regra de três. Hoje faço cálculos avançadíssimos, dos quais, eu achava coisa de graduação e só resmungava sem mover um músculo e evitando o pensamento. Hoje vejo que só bastava eu querer aprender e perder o medo de querer aprender, enfrentar e aceitar os desafios. Vocês podem! E conseguirão.

CONSIDERAÇÕES FINAIS

Bom, ouçam com todo vigor os exemplos que os professores dão, dicas preciosas de quem convive com o sucesso dos aprovados, de quem observa e absorve exemplos comportamentais de alunos de sucesso. Você é um aluno de sucesso, sempre digo isso, é raro alguém vir e perder tempo num texto tão grande e tão “retardatário”, mas eu preciso dar exemplos e escrever muito descritivamente, pois vocês têm que sentir as palavras, imaginarem-se como personagens principais, estou longe de ter a sensibilidade de um gênio como Chico Buarque, mas vocês podem e devem sentir essas palavras e agir com elas, absorver é uma parte boa, executar é a melhor, isso mostra que vocês estão vivos e vivem seus sonhos de olhos abertos, não enquanto dormem, os resultados podem demorar, mas encherão vocês de alegria e vitalidade para novos desafios, vocês vão querer novidades, não ficarão com medo de não aprender um conteúdo novo, necessitarão, pois dominarão todos os outros. Lembrem-se, o rendimento depende exclusivamente de vocês, um bom cursinho, excelente material, convívio em clímax com funcionários, alunos e professores são uma parte da sua vantagem, mas a maior delas está dentro de você. Quando você quer, podem haver dificuldades financeiras, psicológicas, mas a “vozinha” não sua vó (risos), a pequena voz dentro de você, vai gritando abafada e um pouco contida, vai ficando cada vez mais forte, e ela grita tão alto principalmente quando você pensa em desistir – se esse é seu sonho, essa força-motriz, guia-o cegamente ao caminho da vitória, e ela será tão saborosa, que você influenciará outras pessoas e terá a cumplicidade e a vontade de ajudar outros vestibulandos como você fora um dia, assim o ciclo do sucesso e da ajuda gira, fazendo um mundo melhor, sem “pseudo altruísmo”, apenas com alguém que venceu e quer ver novos sorrisos de pessoas que merecem e como você, salvarão a Medicina, pois ela precisa de nós. Somos a mudança, a diferença e a justiça. Espero que tenha ajudado, poupei algumas dicas desnecessárias, pois são inatas e se desenvolverão conforme seu preparo, grande abraço leitor, se não está inscrito no blog não espere, cadastre seu E-mail, torço por você, venceremos e ainda terei seu depoimento de aprovado! Abraços Futuros Médicos.